Dor no pé

Dor no peito do pé: saiba mais sobre esse assunto

Quem já sofreu com dor no peito do pé sabe que essa é uma parte do corpo bem complicada quando o assunto é lesão. Isso porque é difícil manter esse membro em repouso. O simples ato de ficar em pé pode ser uma situação de sobrecarga, pois esse segmento é responsável por sustentar o peso do corpo.

Os problemas no pé podem aparecer em diversas regiões, as mais comuns são: calcanhar, peito do pé, sola, região dos dedos e na lateral. Cada local de dor indica uma lesão diferente e, portanto, exigirá um tratamento específico. Já os motivos que podem causar esse incômodo são diversos.

Por isso, neste artigo apresentaremos os principais motivos que causam a dor no peito do pé, quais são os possíveis diagnósticos e tratamento. Continue a leitura e saiba mais!

O que causa a dor no peito do pé?

A dor no peito do pé é muito comum em corredores. Isso porque, durante a maratona, por mais que você trabalhe todo o seu corpo, são os pés que suportam mais esforço. É claro que se você correu recentemente ou aumentou o volume do seu treino e sente um incômodo no dia posterior, trata-se de uma questão de adaptação dos músculos.

No entanto, se essa dor persistir por mais dias, é possível que tenha acontecido algo mais sério, como uma lesão ou inflamação. Confira algumas razões para dor no peito do pé!

Tendinite

Embora menos comum que a tendinite no braço, é possível desenvolver essa inflamação nos tendões tibiais anteriores — que vão do meio da perna até o meio do pé. Para identificar se esse é o problema, o melhor é procurar um ortopedista. Contudo, alguns sinais podem ajudar também, como a região onde dói. Se o incômodo estiver concentrado no meio do peito do pé e perto do dedão, é provável que seja tendinite.

Para aliviar a dor e a inflamação, uma boa dica é aplicar uma compressa fria e tomar um anti-inflamatório. Além disso, no seu treino diário, procure sempre fazer exercício para fortalecer os dedos e aliviar o estresse na região dos tendões.

Fratura por estresse

A dor no peito do pé pode ser sinal de fratura em um dos cinco ossos metatarsais que ficam na região central desse membro — conheça o sistema articular. Esse tipo de problema é muito comum após uma lesão que não foi tratada corretamente e que, logo em seguida, sofreu um grande estresse causado por longas corridas.

Para identificar essa fratura, fique atento a inchaços e dores fortes na parte superior do pé ao pisar ou fazer algum movimento. Caso identifique um desses sintomas, consulte um médico, fraturas demandam um tratamento mais complicado e um tempo de recuperação maior.

Doença do vampiro

“Doença de vampiro” é uma expressão popular para irritação no peito do pé. Geralmente, ela acontece quando o indivíduo usa tênis muito apertado. Tanto que o incômodo é bem na região onde a língua do sapato toca a parte superior dos seus pés.

Para aliviar os sintomas, a melhor solução é usar tênis mais solto, sem apertar tanto os cadarços ou comprar outro par de sapato. A dor deve desaparecer dentro de 2 a 4 semanas, assim como a inflamação.

Neuroma

O neuroma ocorre quando os nervos do antepé estão inflamados. Isso pode causar um inchaço e uma sensação de queimação. A dor tende a ser mais aguda e vai do calcanhar até os dedos do pé. A causa, geralmente, é tênis pequenos ou apertados.

Uma inflamação nos nervos pode se agravar rapidamente, pois não há muito espaço entre os metatarsos. Por isso, é essencial trocar os sapatos por um com mais espaço para o antepé, aplicar compressas frias e procurar um médico para ter certeza de que nada mais grave aconteceu.

Como se prevenir da dor no peito do pé?

Como vimos, existem diversas razões para dor no peito do pé, portanto, também há diferentes tratamentos. Entretanto, um dos mais utilizados é a aplicação de gelo na região inflamada e o uso de medicamentos. No entanto, em alguns casos, pode ser necessário a fisioterapia.

Para se prevenir desse tipo de problema, é muito importante fazer alongamentos antes e depois do treino e exercícios de fortalecimento do pé. Existem dois tipos de atividades que podem ser realizadas.

Exercício de propriocepção

Esse tipo de atividade ajuda a fortalecer e desenvolver resistência nos pés. Para praticá-lo, é preciso utilizar uma faixa elástica. Prenda-a em algum lugar, como na cama, mesa ou sofá. Coloque a outra ponta no seu pé e a puxe apenas com o movimento desse membro. Desloque lentamente usando a resistência do elástico para ganhar mais força nos tendões.

Exercício de equilíbrio

Para esse exercício, você precisará de um objeto que permita fazer muitos movimentos, como uma cama elástica, um bosu ou uma meia bola. Para quem é iniciante, apenas se equilibrar nesses acessórios já é um exercício. Contudo, conforme você evolui, é bom começar a fazer alguns movimentos, como se equilibrar em um pé só. Esse tipo de atividade fará com que você desenvolva mais força nos tendões.

Qual a importância do descanso para prevenção de lesões?

Não importa qual modalidade esportiva você pratica, as horas de descanso são essenciais para o seu desenvolvimento físico, recuperação e rendimento. É claro que todo atleta deseja superar os seus limites, mas é importante ter em mente que nem só de treino se faz resultados. Descansar também precisa fazer parte da rotina.

O excesso de treino pode causar diversos tipos de lesões, fraturas por estresse e dor patelo-femoral — muito comum nos joelhos. Fora isso, se você não der um tempo para o seu corpo se recuperar, o risco é que ele pare de vez. São os casos de overtraining, que trazem riscos até para saúde mental.

Um dia de descanso, uma vez por semana, já ajuda o seu corpo a se restabelecer e se recuperar, além de prevenir lesões e evitar a exaustão mental. Outra boa opção é ter um dia de treino mais leve, como uma corridinha fácil. Também, é possível incluir a meditação e a yoga na sua rotina.

Descansar é extremamente importante para ter um corpo saudável. A dor no peito do pé é só um dos muitos problemas que você pode desenvolver se não tirar um dia para relaxar e recuperar as energias. Após treinos intensos e corridas longas, utilize técnicas como a liberação miofascial e relaxe.

Aproveite a visita e leia também o nosso artigo sobre cãibras e aprenda como se proteger delas!