Whey Protein Concentrado ou Isolado

Whey Protein Concentrado ou Isolado? Compare!

Começaremos este texto de forma bem direta: se você está em busca da diferença entre whey protein isolado e concentrado no seu shape ou nos resultados que pode obter no seu físico, saiba que não existirá diferença!

Um indivíduo saudável terá os mesmos resultados consumindo quantidades iguais em gramas de proteínas ao usar um whey concentrado, isolado ou hidrolisado. Para compreender os motivos pelos quais não há diferença no consumo dos produtos, convidamos você a uma pequena leitura.

Quais são as diferenças entre o whey protein concentrado e o isolado?

Apenas a concentração de cada nutriente presente no whey será modificada.
Tanto o produto isolado quanto concentrado terão como benefício possuírem proteínas com alta concentração de aminoácidos essenciais e peptídeos bioativos. Estes nutrientes estão em todos os produtos whey porque, na verdade, estes nutrientes são naturais do soro do leite.

Precisamos compreender que não há diferença nas proteínas desses dois produtos, a diferença está apenas na concentração dos nutrientes (carboidratos, gorduras e as proteínas) contidos nestes produtos.

Os produtos whey concentrados são classificados pela legislação como aqueles produtos que apresentam entre 35% a 89% de concentração de proteínas, e os isolados são os produtos que apresentam pelo menos 90% de concentração.

Observem este exemplo: ambos os produtos são whey protein, sendo o primeiro produto um produto com 35% de concentração proteica e o outro com 90% de concentração. A diferença está na concentração de proteínas, pois o tipo de proteína presente nesses dois produtos é igual.

Whey Protein Whey Protein

As proteínas contidas nesses produtos são iguais, tratam-se das proteínas do soro do leite, porém estão em concentrações diferentes (35% e 90%).

A classificação de “concentrado” ou “isolado” não expressa nada de importante para o consumidor, basta que a ingestão do suplemento esteja alinhada com a dieta consumida.

Vamos explicar na prática:
Ao fazer um shake com 100 g de whey concentrado 35% (como é o caso do produto Basic Whey da Growth Supplements), teremos 35 g de proteínas. Ao passo que um shake usando 100 g de um whey isolado com 90% de concentração fornecerá 90 g de proteínas.

Existe naturalmente uma diferença na quantidade de proteínas, 35 g para 90 g, respectivamente, nessas duas hipóteses, mas não há diferença nos nutrientes, não há benefícios extras conferidos apenas aos produtos whey isolados.
Além da quantidade de proteínas, não há outra diferença para o organismo saudável.

Processamento e propriedades dos produtos Whey Protein

Existem diferentes tipos de produtos whey protein no mercado, e para se conseguir cada um deles é preciso aplicar tecnologias e etapas específicas no processo. Diversas podem ser as tecnologias aplicadas para o processamento do soro, porém as etapas iniciais de processamento são sempre iguais.

Inicialmente temos a separação da massa do queijo, a etapa seguinte é a centrifugação e as etapas seguintes são definidas pela composição e pelas propriedades funcionais e nutricionais desejadas para o produto final. Aqui reside uma questão chave num dos maiores mitos que já existiram no mundo da suplementação. Atenção para este trecho: “as etapas seguintes são definidas pela composição e pelas propriedades funcionais e nutricionais desejadas para o produto final”. É fundamental entender que propriedades funcionais não estão relacionadas a benefícios para o desempenho esportivo ou para o físico.

Capacidade ou propriedade funcional está relacionada a aeração/formação de espuma, emulsificação, solubilidade, gelificação, retenção de água e desenvolvimento de viscosidade. Estas são algumas das propriedades funcionais básicas que um concentrado proteico de soro pode fornecer.

Existem diferentes tipos de whey porque esse produto pode ser aplicado em diferentes áreas, a tabela abaixo exemplifica esta questão.

Tabela de proteínas

Observem que não há menção sobre esporte praticado, objetivo pretendido, nada nesse sentido, pois quem relacionou os diferentes tipos de whey com diferentes resultados que podem ser obtidos foi o mercado. Unicamente por intenção mercadológica, para adicionar valor financeiro ao produto final.

Dúvidas como “benefícios da proteína concentrada e da isolada” ou “qual é o melhor whey protein para ganho de massa rápido?” não existem na literatura porque tecnicamente não há motivos para que ocorresse isso. Dúvidas como essas são originadas na falsa impressão de que são produtos diferentes, fabricados com com constituintes diferentes.

Diferentes tipos de públicos, diferentes tipos de whey

Excluindo a questão “resultados no físico”, podemos dizer que haverá, sim, indicações específicas para os diferentes tipos de whey, como as pessoas com problema na digestão dos carboidratos do leite (lactose). Essas pessoas precisam de um whey que passe por um processo em que são retirados os carboidratos do produto. Neste caso, estamos falando do whey isolado.

Um indivíduo que apresenta excesso de flatulência ao consumir o concentrado poderá então usar o isolado devido à ausência da lactose (possível agente de formação dos flatos).

Ou no caso de pessoas com alergias às proteínas do leite, essas pessoas precisam de um produto pré-digerido, o whey hidrolisado.

Precisa ficar entendido que o tipo de whey não é uma questão de simples escolha, e sim uma necessidade:

Se existe necessidade de um produto sem carboidratos, o isolado. Se existe a necessidade de um produto pré-digerido, o hidrolisado. Caso o indivíduo seja saudável, não há justificativa para consumir outro, senão o concentrado.

Whey protein auxilia no emagrecimento?

A resposta é sim, pois, teoricamente, o emagrecimento é muito simples.

O whey atuará como um dos elementos fornecedores de proteínas na dieta. Sabe-se que para um emagrecimento rápido e eficiente devemos consumir uma dieta hipercalórica e hiperproteica, assim o emagrecimento pode ser beneficiado com uma dieta programada usando whey protein, mas nesse caso poderá ser usado qualquer tipo de whey. Desde que seja equalizado o valor calórico da dieta e a quantidade de proteínas, o suporte dos diferentes tipos de whey será igual.

Apesar disso, algumas pessoas podem acreditar que o whey isolado seria melhor que o concentrado para redução de peso devido à ausência de carboidrato, porém, nenhuma pessoa faz dieta com zero de carboidrato, até mesmo as dietas mais restritivas aos glicídios, como é a dieta cetogênica, contemplam pelo menos 5% do valor calórico vindo dos carboidratos. Se temos condição de metabolizar essa pequena quantidade de carboidrato do whey concentrado, por que investir mais recurso financeiro num produto isolado pelo simples fato de ter menos carboidratos?
Não há justificativa, nenhuma razão para isso, pois o carboidrato derivado do leite trata-se de lactose, é um dissacarídeo de lenta digestão, de baixo índice glicêmico e, por isso, não traz nenhuma implicação na dieta.

Saiba mais:

E o whey protein hidrolisado?

Enquanto a diferença entre concentrado e isolado está apenas na concentração das proteínas (contendo nos dois produtos proteínas com a mesma composição), o hidrolisado é um produto diferenciado.

Ele passa por uma etapa industrial que reproduz o efeito da digestão sobre as proteínas. Whey hidrolisado é um produto previamente digerido. As implicações metabólicas após o consumo de um produto hidrolisado ainda são estudadas, mas já começam a surgir evidências de que pode haver benefícios para populações especiais, como diabéticos com glicemia descompensada.

Um império construído em base infundada

Uma das maiores ferramentas de venda dos whey protein está na questão “velocidade de digestão”. A ultravelocidade na digestão das proteínas do soro do leite é uma das grandes armas na venda desses produtos. De fato o suplemento possui rápida digestão e rápido esvaziamento gástrico, não há nenhum mal nisso, muito pelo contrário, isto pode ser um benefício em alguns casos.

O problema começa ao afirmarem que o whey traz benefícios devido à sua velocidade de digestão. Isso não acontece, o fato de ser rapidamente digerido não traz benefício algum caso o indivíduo faça pelo menos três a quatro refeições ao dia, caso programe as suas refeições. A velocidade de digestão do produto não interfere, porque o primeiro suporte conferido pelos aminoácidos ao músculo no final do treino é feito pelos aminoácidos que já estão na circulação sanguínea.

Caso fosse mesmo uma realidade o benefício da rápida digestão, as empresas fabricantes indicariam o consumo de whey antes do treino, não seria mais lógico? Para entender melhor esta questão, confira nosso post: Whey antes ou depois do treino?

Whey que não é whey

Podem ser chamados de whey protein apenas os produtos que tiverem única e exclusivamente proteínas do soro do leite. Mas, devido à força e ao prestígio que esses produtos adquiriram, existem muitos produtos no mercado com nome de whey, sem que realmente sejam.

O primeiro exemplo são as demais fontes de proteína. O público vegetariano ou vegano costuma se referir às proteínas vegetais como “whey vegano”, “whey de soja” ou “whey de arroz”. Tecnicamente está errado, cada proteína deverá ter especificada a sua fonte. Por exemplo, não podemos chamar de “whey de arroz”, e sim suplemento proteico de arroz, ou proteína do arroz.

Esse tipo de erro pode não trazer prejuízos aos consumidores, mas há empresas que fazem uma mistura de ingredientes, usando, além de proteínas do soro do leite, algumas fontes proteicas de menor valor biológico e financeiro, como é o caso do colágeno. Assim a empresa fabricante coloca o nome comercial de whey, mas a formulação do produto traz junto outros ingredientes e outras fontes de proteínas.

Veja também

Referências

BALDASSO, C. Concentração, purificação e fracionamento das proteínas do soro lácteo através da tecnologia de separação por membranas. 2008. 179 p. Dissertação de Mestrado – Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Disponível em:

CARDOSO, G. S. P. Avaliação físico-química e microbiológica do leite cru refrigerado e soros dos queijos minas frescal e mussarela estocados sob diferentes temperaturas. 2014. 125 f. Tese (Doutorado em Ciência Animal) – Escola de Veterinária e Zootecnia, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2014.

CORTEZ, N. M. S. Diagnóstico da produção do soro de queijo no estado do Rio de Janeiro. 2013. Tese (Doutorado em Medicina Veterinária) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2013.