Álcool e hipertrofia: quais os impactos das bebidas nos resultados?

Os treinos estão em dia, a alimentação também, mas chega o fim de semana e os amigos chamam para sair. Ver todo mundo tomando drinques e cerveja vai fazer a vontade bater forte, afinal, ninguém é de ferro. E então, como agir? Ainda mais sabendo que a relação entre álcool e hipertrofia é bastante polêmica.

Há quem diga que uma única dose pode fazer seu treino se perder e, quando você faz o álcool virar um hábito — mesmo que uma vez na semana —, adeus, hipertrofia muscular. Será que a relação entre ingerir álcool uma vez ou outra e músculos definidos é tão extremista assim? Continue conosco e saiba mais!

Quais os efeitos do álcool no organismo?

Se beber, não dirija. Isso você já sabe. Bebidas alcoólicas surtem efeitos diferentes em cada pessoa. Mas, após algumas doses, é possível ficar mais desinibido, cheio de coragem ou até agressivo — os efeitos variam entre cada um. O que é certo depois de tomar álcool é que você pode apresentar diminuição de reflexos, dificuldade de coordenação e até algumas alterações de funções visuais.

Porém, não é apenas o cérebro que sofre com os efeitos: alguns deles envolvem diretamente a questão da absorção de nutrientes e a produção de hormônios, que pode influenciar a hipertrofia. Conheça melhor!

Menos testosterona e GH

O hábito de tomar álcool com frequência prejudica a recuperação muscular após seu treino. O motivo? A bebida tem a capacidade de interferir na fabricação de alguns hormônios, entre eles o GH (hormônio do crescimento) e a testosterona, que são importantes para a construção dos músculos.

O álcool também faz com que a produção de cortisol aumente e isso acelera o processo de catabolismo, fase metabólica na qual o corpo passa a consumir suas próprias reservas. Nesse processo, você perde massa magra e piora o desempenho nas atividades físicas.

Sistema digestivo prejudicado

Bebidas alcoólicas, quando consumidas em excesso, agridem a mucosa da boca e do intestino. É por esse motivo que, no dia seguinte à bebedeira, você sente que o paladar mudou. Em alguns casos, tem menos fome e até enjoo. Além disso, o álcool também acaba matando as bactérias que ajudam no bom funcionamento do intestino.

Sua alimentação saudável, com as calorias e proteínas todas contadas, também acaba sendo prejudicada, já que o álcool, por ser diurético, acaba varrendo os nutrientes que são consumidos.

Sistema imunológico mais fraco

A questão aqui é quando você exagera no álcool em pouco tempo — como aquele dia em que você saiu com a turma e nem se lembra da quantidade de doses.

Segundo estudos da Universidade de Chicago, esse hábito enfraquece seu sistema imunológico e há boas chances de pegar uma gripe ou outra doença de repente, o que diminui a disposição para academia e exige repouso, impactando a hipertrofia muscular.

Boas chances de desidratação

Bebidas alcoólicas acabam sobrecarregando os rins e isso tem explicação: a bebida suspende a produção da vasopressina, um hormônio que avisa os rins sobre quanta água é preciso segurar ou eliminar. A falta desse hormônio faz com que o corpo elimine mais líquido, por isso é tão comum sentir vontade de ir ao banheiro depois de algumas cervejas.

Como nossos músculos têm mais de 70% de água, eles são bastante afetados e influenciam até na medição da massa magra, que é composta por músculos, água, tendões, ossos etc.

Sono afetado

O corpo humano precisa do sono noturno para se recompor e, quando você exagera na bebida, nem sempre é possível atingir os estágios mais profundos do sono, necessários para a produção de alguns hormônios.

Um desses hormônios é o GH, responsável pelo crescimento das crianças, e, nos adultos, por manter o tônus muscular, não permitir o acúmulo de gordura, fortalecer os ossos e dar mais disposição.

Calorias extras

caloria do álcool é vazia, ou seja, não tem nutrientes, assim como o açúcar refinado. Por exemplo, uma lata de cerveja tem cerca de 150 calorias, uma caipirinha com açúcar passa das 250 e, se você é fã de destilados, saiba que uma única dose de uísque conta com 120.

Álcool e hipertrofia: como a bebida pode afetar seu treino?

Uma dose de vez em quando não vai colocar todo o seu treino a perder, até porque beber vinho tinto com moderação é liberado na dieta mediterrânea e traz vários benefícios (incluindo menos doenças cardiovasculares). O que não vale é exagerar e fazer isso com frequência, pois a hipertrofia pode entrar em xeque. Alguns casos em que você passa do limite merecem ser lidos com toda a atenção.

Para que a testosterona seja reduzida a níveis realmente preocupantes, é necessário ingerir cerca de 120 g de álcool, ou seja, cerca de dez latas de cerveja ou dez doses de uísque. Até três latinhas, o nível de testosterona cai para 6,8%, o que não influencia na hipertrofia.

Por ser tóxico, o corpo prioriza o álcool no processo de metabolização. Ou seja, o organismo não fabrica gordura a partir do álcool. Entretanto, se exagerar nas doses e em alimentos ricos em calorias vazias, as gordurinhas podem chegar, sim, pois, depois de beber além da conta, nada impede que, em um impulso, você acabe abusando de comidas calóricas.

Porém, beber álcool em doses moderadas é até benéfico. Você pode melhorar a sensibilidade à insulina, diminuir as concentrações de triglicérides e melhorar o controle glicêmico. Uma das explicações prováveis, ainda sem consenso médico, é que o álcool diminui a acumulação de gordura corporal porque favorece a quebra de nutrientes a longo prazo.

Além disso, o resveratrol, presente em vinhos tintos, contém antioxidantes, protege contra doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer. A cerveja, quando tomada com moderação, também atua contra os radicais livres e auxilia na prevenção de cálculos renais, segundo um estudo da Universidade de Harvard.

Como consumir bebida alcoólica sem prejudicar os resultados?

Já deu para entender que a moderação é a palavra de ordem quando o assunto é bebida alcoólica, certo? Algumas dicas extras vão ajudar:

  • se for beber, foque em reduzir o consumo de gorduras. Até 0,3 g por quilo de massa corporal é o ideal. O consumo de carboidrato também precisa cair — 1,5 g por quilo de massa corporal;

  • a proteína magra está liberada para os dias de drinques. Exemplos são queijo do tipo cottage, frango sem pele, peru, atum e até suplementos de proteína;

  • algumas bebidas são melhores que outras, como vinho seco e destilados (uísque, vodca, gim, rum etc.), uma vez que a quantidade de carboidratos é bem menor que a da cerveja, por exemplo;

  • separe apenas um dia da semana para beber, principalmente se você quiser perder gorduras, ok?

Mulheres são menos resistentes ao álcool?

São, sim. As mulheres são mais sensíveis ao álcool por conta da água em seu corpo. Homens têm cerca de 55% a 65% de água em seu organismo. Nas mulheres, esse número cai para 45% a 55%.

Como a água é importante para diluir a bebida, os homens são mais resistentes. Mas, esse é um fator preocupante apenas para quem quer ingerir álcool em quantidades nada moderadas.

A relação entre álcool e hipertrofia só é ruim quando você abusa da bebida e faz isso em vários dias da semana. Nesses casos, não é apenas a hipertrofia que sai perdendo, mas sua saúde também. Por isso, leve essas dicas para a vida e lembre-se de que moderação e equilíbrio são o melhor caminho!

Aproveite para seguir a gente nas redes sociais e receber conteúdos com muitas dicas que vão trazer conhecimento e (mais!) saúde. Estamos no Facebook e Instagram!