Treino funcional e musculação: quais são as diferenças?

Praticar exercícios é uma das melhores formas de cuidar bem da nossa saúde e, disso, ninguém tem dúvidas. Mas você já ouviu falar em diversas outras atividades físicas e deve estar se perguntando qual delas é a melhor para você. Existem 2 tipos de exercícios que são bastante praticados pelas pessoas: treino funcional e musculação.

Por que as pessoas praticam treinamento funcional? O que esse tipo de exercício tem de especial e quais as diferenças dele para a musculação?

Veja, a seguir, todas as respostas para essas perguntas e fique bem informado sobre essa prática física que vem ganhando cada vez mais adeptos!

O que é treino funcional?

Todos os movimentos executados no treinamento funcional são desenvolvidos de acordo com os movimentos naturais do nosso corpo. Os exercícios praticados nesse tipo de exercício têm a ver com pular, correr, agachar, empurrar, dentre outras atividades.

O objetivo final é ganhar agilidade, coordenação motora, condicionamento físico, resistência, equilíbrio, flexibilidade e força muscular.

O treino funcional se tornou uma excelente alternativa para aqueles que estavam cansados dos movimentos repetitivos que são realizados na musculação. Não há exercícios com eixos definidos ou feitos de forma que isole o grupo muscular — todo o corpo é trabalhado ao mesmo tempo.

Para quem o treino funcional é indicado?

Se você deseja perder peso, aumentar a flexibilidade, melhorar a força muscular e o sistema cardiorrespiratório, então o treinamento funcional é indicado para você. Veja que, aqui, não foi citada a hipertrofia muscular, pois esse não é um dos objetivos dessa atividade.

Qualquer pessoa que esteja saudável pode praticar esse tipo de exercício e mesmo os mais sedentários conseguem iniciá-lo sem problemas. Isso é uma das coisas que o treino funcional e a musculação têm em comum: os dois conseguem ser adaptados para pessoas que nunca praticaram exercícios físicos ou que estão em um estado mais avançado de treinamento.

Porém, algumas pessoas podem ter que fazer um treino convencional com fortalecimento muscular e aeróbico antes de iniciar.

Quais as diferenças entre treino funcional e musculação?

Treinamento funcional

Ele abre um maior leque de possibilidades quando o assunto é movimento e técnicas de exercícios. É possível utilizar diversos itens, como elásticos, bolas, cones e cordas, variando o tipo de treino. Além disso, ele pode ajudar até mesmo na prevenção de lesões, já que ajuda na coordenação motora, no equilíbrio e no aumento da força muscular.

Uma das melhores vantagens do treino funcional e que dá o grande diferencial em relação à musculação é que ele é capaz de acabar com a monotonia dos treinos. O fato de, muitas vezes, usar o próprio corpo como peso, aliado ao uso dos objetos, ajuda a criar uma série de variações para um mesmo exercício físico.

Musculação

O objetivo principal da musculação é promover a hipertrofia, ou seja, o crescimento do músculo. Enquanto o treino funcional trabalha de forma global, recrutando todos os músculos ao mesmo tempo, a musculação consegue ativá-los de forma global e também isolada, trabalhando um grupo de cada vez, de uma forma mais específica.

A musculação também está voltada para o emagrecimento, não apenas pela perda de gordura que promove, mas também pelo ganho de massa magra. Ela acaba consumindo mais energia e, assim, ajuda os números da balança a diminuírem.

Se você treinar de 2 a 5 vezes por semana, com uma alimentação balanceada, conseguirá gerar bons resultados em pouco tempo.

É possível combinar treino funcional e musculação?

Sim, é possível! Aliás, essa é uma boa opção, já que um consegue complementar o outro, de forma que cada parte do corpo seja trabalhada. Além disso, um bom treino funcional consegue melhorar os resultados na musculação.

Por exemplo, digamos que você não esteja conseguindo aumentar a carga, na musculação. Com o fortalecimento dos músculos no treino funcional, será mais fácil aumentar os pesos!

Veja mais alguns benefícios dessa união:

1. Aumenta o fortalecimento muscular

Se você se identifica com o exemplo anterior, provavelmente, está faltando força. Sem ela, é impossível erguer mais peso.

Musculação traz fortalecimento? Sim, ela traz, mas o objetivo desse exercício é o crescimento da fibra muscular e não, necessariamente, deixar o músculo mais forte.

Como trabalha essa parte do fortalecimento, o treino funcional pode tornar-se um poderoso aliado.

2. Ajuda na realização do movimento correto

Outro ponto positivo do treinamento funcional para o praticante de musculação é o fato de ela focar no movimento.

Nesse tipo de exercício, a forma correta de realizar qualquer tipo de movimento é de extrema importância e as compensações usadas para facilitar o movimento também são observadas de perto.

É possível levar esse aprendizado para a musculação e se conscientizar de que, muitas vezes, é necessário ter uma redução da carga para que o exercício seja realizado da forma correta, alinhando todo o corpo. Isso consegue evitar uma série de lesões que os treinos incorretos podem gerar.

3. Fortalece o core

Outro excelente benefício de unir esses 2 tipos de exercícios é quanto ao fortalecimento do core. O core é o nosso centro de equilíbrio, que fica entre a coluna lombar e o abdome, logo na linha do umbigo.

Toda a nossa força nos exercícios deve ser concentrada nessa região. Já ouviu o personal falando, durante o exercício, para você enrijecer a barriga? É justamente por isto: a nossa força deve estar concentrada nesse local.

O problema é que muitas pessoas ainda possuem essa região muito fraca, pois não focam muito nela. O treino funcional consegue gerar uma grande quantidade de força nessa área. Como os exercícios são globais e exigem equilíbrio, os músculos abdominais e lombares são recrutados para gerar o movimento adequado.

Para combinar os 2 tipos de atividade física, é possível fazê-los em dias alternados — por exemplo, segunda, quarta e sexta, você pratica musculação e, terça e quinta, o treino funcional.

Elas também podem ser realizadas todos dos dias, intercalando o funcional com a musculação. Você pode, por exemplo, realizar agachamento e leg press, combinados com uma subida de escadas ou pular corda.

Você pode ir adaptando o treino até encontrar a melhor opção, dentro do objetivo que deseja alcançar. Além disso, é recomendado que você peça a ajuda de um profissional para montar a sequência de exercícios.

O treinamento funcional pode causar hipertrofia?

Essa possibilidade dependerá de alguns fatores presentes no momento, mas sim, é possível ter hipertrofia com treino funcional. Porém, isso não se aplica a todos os casos.

Um dos pontos que costuma interferir no ganho de massa muscular é a questão do treinamento global e, também, o baixo número de repetições para o movimento muscular. Especialmente quando estamos falando em pessoas bem treinadas, o funcional pode não oferecer bons resultados.

As fibras musculares de quem pratica musculação possui uma memória diferente. Elas estão adaptadas a estímulos mais intensos e não respondem de forma satisfatória a treinos com baixa carga.

Porém, para os iniciantes, o treino funcional pode sim ser satisfatório e desencadear a hipertrofia. Nesse caso, estamos falando de uma musculatura não treinada e que responde a diversos tipos de estímulos.

É importante salientar que os dois tipos de treinos conseguem melhorar a nossa qualidade de vida. Veja que os seus objetivos são diferentes. Em um, o foco está no ganho de força e no volume muscular; no outro, está na flexibilidade, na coordenação motora e na resistência.

Quais suplementos usar nesse caso?

As proteínas não podem deixar de fazer parte do seu dia a dia, ainda que você só pratique o treinamento funcional. Tanto um exercício quanto o outro exige muito dos músculos e, se você não consegue ter uma alimentação naturalmente adequada, os suplementos proteicos são a melhor opção.

1. BCAA

Outro suplemento importante é o BCAA. Ele é um conjunto de aminoácidos (isoleucina, valina e leucina) que precisam estar presentes para que ocorra a recuperação muscular.

Como o funcional envolve todo o corpo, haverá desgaste em todos os grupos musculares. Isso não ocorre de forma tão intensa quanto na musculação, que usa grupos isolados, mas é importante ter atenção.

2. Creatina

A creatina também é um importante nutriente para os dois tipos de exercícios. Essa proteína ajuda na síntese de uma substância essencial para o desempenho dos treinos: o ATP. Essa é a nossa moeda energética e é o que os músculos usam quando precisam de mais energia.

E, se você tem mais energia, logicamente conseguirá se exercitar mais. A fadiga muscular, que ocorre quando não temos mais força alguma para erguer uma carga ou fazer um determinado movimento, demorará ainda mais para ocorrer. Isso aumenta os ganhos musculares e aumenta o tempo de treino.

Tenha cuidado na hora de consumir qualquer tipo de nutriente, especialmente a proteína. O recomendado é uma medida de 2 gramas para cada quilo. O excesso dessa substância pode trazer sérios problemas renais, portanto, não exagere na dose. Se ficar na dúvida, basta seguir a recomendação que vem na embalagem ou, melhor ainda, a do seu nutricionista.

Quanto aos exercícios, o mais importante é praticar algum tipo de atividade física. Se for necessário, teste um pouco de cada tipo e veja qual se adapta melhor ao seu gosto e à sua rotina.

Quer saber mais sobre um suplemento que pode te ajudar com treino funcional e musculação? Então descubra o que é creatina, para que serve e como ela pode te ajudar a obter maiores ganhos!