Entenda o que é a síndrome de burnout e como pode ser evitada

Cansaço extremo, nervosismo, sentimento de incapacidade, dor de barriga, tontura. Esses são alguns dos principais sintomas provocados por situações de estresse. Agora, pense em se sentir dessa maneira por causa do seu trabalho e ter que conviver com esse e outros incômodos sérios todos os dias.

Na medicina, esses sentimentos são caracterizados como síndrome de burnout, também conhecida como síndrome do esgotamento profissional. A prevalência desse problema é maior que imaginamos: segundo a International Stress Management Association (Isma-BR), 32% dos trabalhadores brasileiros sofrem com esse tipo de estresse.

Para conhecer mais sobre os sintomas e as características do burnout, continue a leitura e saiba o que é essa síndrome e quais hábitos ajudam a prevenir a exaustão e o esgotamento profissional. Confira!

O que é síndrome de burnout?

A síndrome de burnout é um distúrbio emocional cujos principais sintomas são exaustão extrema, estresse contínuo e esgotamento físico resultantes de situações desgastantes no trabalho, ou que demandam muita competitividade e responsabilidade. A principal causa é justamente o excesso de trabalho.

O burnout é muito comum entre profissionais que trabalham sob muita pressão e responsabilidade constante, como aqueles da área da saúde, segurança, professores, jornalistas, dentre outros. Ele também acontece quando o indivíduo é escalado para trabalhos muito difíceis, uma situação que pode despertar na pessoa o sentimento de não ser capaz o suficiente.

Essa síndrome pode, ainda, desencadear outras doenças, como um quadro de depressão profunda. Não é a toa que a Organização Mundial da Saúde (OMS) inclui em 2019 esse distúrbio na Classificação Internacional de Doenças, uma lista das enfermidades e estatísticas de saúde que prevalecerão nos próximos anos.

De acordo com a organização, burnout é “uma síndrome resultante de um estresse crônico no trabalho que não foi administrado com êxito”. Além disso, afirma também que esse termo serve apenas para se referir ao contexto profissional. O estresse causado por outros motivos (problemas financeiros ou familiares, por exemplo) não deve ser classificado dessa maneira.

Quais são os principais sintomas da síndrome de burnout?

O burnout, ao contrário do que muitas pessoas falam, não é frescura. Ele envolve muito nervosismo, sofrimentos psicológicos e problemas físicos, como dores de cabeça e de barriga, tonturas e cansaço excessivo. Além disso, pode causar falta de vontade de sair de casa ou da cama.

Alguns dos principais sinais, segundo o Ministério da Saúde, que indicam que alguém pode estar com a síndrome de burnout são:

  • fadiga;
  • dores de cabeça frequentes;
  • cansaço físico e mental;
  • dificuldade de concentração;
  • alteração no apetite;
  • insônia;
  • negatividade constante;
  • sentimento de derrota e desesperança;
  • sentimento de incompetência;
  • alterações repentinas de humor;
  • pressão alta;
  • dores musculares;
  • isolamento;
  • alteração nos batimentos cardíacos;
  • problemas gastrointestinais.

Normalmente, esses sintomas aparecem de forma despercebida e leve, mas tendem a ficar constantes e mais fortes com o passar dos dias. Para evitar o desenvolvimento de problemas mais sérios, é fundamental buscar a ajuda de um profissional, pois pode tanto ser algo passageiro, como um sinal da síndrome de burnout.

Como é o tratamento para síndrome de burnout?

Procurar ajuda médica é essencial para o diagnóstico dessa síndrome, pois ele só pode ser feito por um especialista após análise clínica do paciente. Os psiquiatras e psicólogos são os profissionais mais indicados para identificar esse distúrbio e orientar sobre a forma de tratamento de maneira individualizada.

O tratamento para o burnout é feito com o acompanhamento psicológico por meio da psicoterapia, e em alguns casos pode haver a necessidade de envolver medicamentos antidepressivos e/ou ansiolíticos. Normalmente, o paciente já apresenta uma melhora a partir do terceiro mês de tratamento, mas há casos que podem durar mais tempo, pois cada pessoa responde de uma forma.

Durante todo o acompanhamento médico, o profissional ajudará o paciente a identificar quais são os gatilhos que o levaram a essa síndrome e quais hábitos ele precisa mudar, seja no trabalho ou no estilo de vida. Muitos especialistas recomendam fortemente que após o diagnóstico a pessoa tire férias, tenha momentos de descanso e desenvolva novas atividades para relaxar.

Um bom exemplo de atividade física que pode ser praticada até mesmo em casa é a yoga. Ela combina técnicas de respiração, exercícios de flexibilidade, postura, alinhamento e interiorização. A prática traz diversos benefícios para o bem-estar e saúde dos praticantes.

Algo que muitas pessoas não sabem é que a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), do Sistema Único de Saúde (SUS), oferece integralmente e de forma gratuita todo o tratamento para síndrome de burnout, desde o diagnóstico até os medicamentos necessários.

Como a atividade física ajuda a prevenir a síndrome de burnout?

A prática regular de exercício físico atenua o estresse sob o sistema imunitário. A atividade física não traz benefícios apenas para a saúde física. Ela igualmente melhora o bem-estar psicológico da pessoa. Os exercícios físicos têm uma grande relação e influência com a saúde mental.

Durante a atividade física o corpo libera a noradrenalina e a B-endorfinas, além de aliviar a tensão muscular e ajudar a melhorar a autoimagem. Por isso, especialistas indicam a prática regular de exercício físico para aliviar o estresse de rotinas corridas e excesso de trabalho.

O treino aeróbico, por exemplo, possibilita que a pessoa se liberte da tensão muscular e crie condições para um maior relaxamento e bem-estar. Tente fazer uma aula de natação à noite e perceba o quanto você dormirá melhor após a atividade. Sem contar que o exercício também melhora o trabalho intelectual.

Além disso, seguir uma alimentação saudável é outro ponto essencial para prevenção da síndrome de burnout e outras doenças. A dieta deve ser completa, com todos os nutrientes necessários para amparar o organismo. Isso significa dar ao seu corpo o que ele precisa para combater as substâncias danosas.

A síndrome de burnout é uma doença séria, e sem o tratamento correto ela pode levar ao afastamento do trabalho, bem como causar úlceras, diabetes, aumento no colesterol, entre outros problemas de saúde. Por isso, caso você apresente algum dos sintomas que apresentamos aqui com muita frequência, não deixe de procurar um médico.

Quer conhecer uma nova técnica de relaxamento? Leia o nosso artigo sobre liberação miofascial e saiba como ela pode ajudar você!