A diferença entre arginina e l-arginina: Benefícios para a Musculação

A ciência dos alimentos evolui a passos largos, a cada dia mais são disponibilizados suplementos fontes de nutrientes e compostos. Os rótulos destes produtos estão cada vez mais convidativos, cada vez mais interessantes. Usam-se frases e imagens apelativas nas campanhas publicitárias e uma série de termos “inventados” nas academias e salas de musculação. Nesta grande quantidade de palavras e frases usadas nas campanhas de um produto quem sofre são os consumidores, que muitas não conseguem nem identificar do que se tratam tais suplementos, quais nutrientes estão presentes nas formulações.  Acabam sendo usados nomes parecidos com o nome da substância, para o nome comercial e isso confunde a cabeça de quem esta comprando. Este caso é observado nos produtos que fornecem l-arginina. O fato é que o nome comercial de alguns produtos é simplesmente “ARGININA”, porém estes produtos fornecem a substância “L-ARGININA”. Trata-se da mesma substância, mas a diferença é que arginina é o nome usual e l-arginina é o nome cientifico da substância.

L-arginina por sua vez é um aminoácido muito procurado nas academias de musculação e também por atletas de endurance, pois decorrente da suplementação com este nutriente podemos observar efeitos no desempenho físico, aumento de massa muscular e redução de gorduras.  A suplementação com arginina pode proporcionar melhora do desempenho físico, este efeito poderia ser desencadeado por diminuição da fadiga muscular. Esse efeito seria associado à vasodilatação resultando no aumento da perfusão muscular (melhora no fornecimento de nutrientes aos tecidos), redução do consumo de glicose pela musculatura durante os exercícios. O óxido nítrico (NO) é um gás nutriente, sua síntese acontece através da ingestão de arginina que será convertida em L-citrulina e por final gera formação do gás. A suplementação com arginina por várias semanas aumenta a produção de óxido nítrico, pesquisas demonstraram melhora da resistência à fadiga em indivíduos submetidos a suplementação oral de arginina (3g por dia) a partir de 15 dias.

A suplementação de arginina pode também estar associada à melhora da força muscular, isso ocorre através de uma maior síntese de proteínas musculares em períodos de suplementação com este o aminoácido arginina e quando realizada a suplementação concomitantemente a um programa de exercícios de força. Pode-se considerar a hipótese de que o próprio efeito de melhora a oferta de nutrientes venha a contribuir para melhor qualidade do treinamento de força, tendo como resultado ao longo do tempo uma potencialização dos efeitos do treino com maior aumento de massa e força muscular.

A quantidade usada nas pesquisas com este aminoácido varia entre 3 e 8gr ao dia, variando de acordo com o exercício praticado e também a composição corporal dos indivíduos, o fato é que quanto maior for a quantidade de massa muscular, maior será a necessidade. Quanto mais intenso e frequente forem as sessões de treino maior será a demanda pelo organismo

O consumo da arginina não precisa ser ciclado, não precisa ser interrompido, deve-se consumir ininterruptamente enquanto durar a programação de treino. A melhor indicação para consumo deste aminoácido é fracionar a quantidade total diária, programar a ingestão duas vezes ao dia 12h/12h ou três vezes ao 8h/8h, sendo uma destas ingestões junto com a refeição que antecede o treino.

De uma forma geral podemos dizer que o consumo de arginina pode melhorar os efeitos da musculação, proporcionando maior ganho de força e massa muscular e ajudando na redução do percentual de gordura corporal.

 

 

Material elaborado por Nutricionista Esportivo Diogo Círico – CRN 10 – 2067
R.T. Growth Supplements