Multivitamínicos

Suplemento faz mal?

Caso esta pergunta fosse realizada na década de 40, quando o pioneiro Joe Weider lançou uma das primeiras revistas com “aconselhamento completo” para os levantadores de peso na época a “ Your Physique”  (revista que trazia conjuntos de peso e outros equipamentos, bem como alguns suplementos rudimentares de vitaminas e minerais) com toda certeza a grande maioria das pessoas falariam assustadas que pós, capsulas e comprimidos não devem ser consumidos por pessoas saudáveis.

Com o passar do tempo, através dos avanços da ciência dos alimentos e também a tecnologia de alimentos conseguimos entender que os suplementos nada mais são dos que fornecedores de nutrientes. Tais nutrientes são usados pelo organismo para viabilizar processos fisiológicos, reações bioquímicas e todos os outros mecanismos que o organismo necessita para desempenhar as reações vitais do organismo. Os suplementos são fornecedores de vitaminas, minerais, macro nutrientes (carboidratos, proteínas e gorduras), compostos bioativos, pré e probióticos, entre outros nutrientes.

Nos dias de hoje não existe no Brasil uma legislação única para suplementos. Esses produtos podem ser enquadrados como alimentos ou medicamentos dependendo das suas características de composição e finalidade de uso. Atualmente, a ANVISA está trabalhando na revisão do marco regulatório de suplementos. A RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA – RDC Nº. 18, DE 27 DE ABRIL DE 2010, regulamenta e descreve as informações técnicas para classificação dos produtos enquadrados como “Alimentos para Atletas”. Nesta categoria temos:
I – suplemento hidroeletrolítico para atletas (produto destinado a auxiliar a hidratação).
II – suplemento energético para atletas (produto destinado a complementar as necessidades energéticas/fornecer calorias).
III – suplemento proteico para atletas (produto destinado a complementar as necessidades proteicas).
IV – suplemento para substituição parcial de refeições de atletas (produto destinado a complementar as refeições de atletas em situações nas quais o acesso a alimentos que compõem a alimentação habitual seja restrito).
V – suplemento de creatina para atletas (produto destinado a complementar os estoques endógenos de creatina).
VI – suplemento de cafeína para atletas (produto destinado a aumentar a resistência aeróbia em exercícios físicos de longa duração).

Necessita-se deste tipo de especificação na legislação para ser possível classificar e regulamentar a venda, porém sabemos que a legislação não consegue acompanhar nem de perto a evolução e os avanços da indústria no lançamento de novos produtos no mercado. Todos os dias são lançados novos produtos, hoje a vasta gama de suplementos disponíveis no mercado compreendem muito mais classes de suplementos do que estas que estão na RDC 18/2010.

Nutrição é uma ciência relativamente nova, a suplementação por sua vez é ainda muito mais recente, muitas vezes por falta de informações e também pela divulgação de informações incorretas nas salas de ginástica e academias os suplementos podem ser demonizados, encarados de forma inadequada. Existem alguns mitos muito clássicos que circulam nestes locais, abordaremos alguns dos mais “famosos” casos míticos em relação à suplementação.

“termogênico faz mal?”

Precisamos entender que “termogênico” é apenas a definição técnica para os elementos capazes de aumentar o gasto calórico de nosso organismo. São vários os nutrientes e elementos que possuem este efeito, dentre eles podemos citar um composto encontrado na casca da laranja amarga chamado citrus aurantium, os compostos ativos encontrados na pimenta, gengibre, entre outros incluindo a cafeína que pode ser encontrada no café, chocolate, guaraná, entre outros. O fato é que cafeína é também um estimulante e pode gerar malefícios em indivíduos com hipersensibilidade ou portadores de cardiopatias ou hipertensão. Com exceção da cafeína que pode trazer problemas para estes públicos específicos não existe evidencia de que termogenicos possam trazer malefícios para indivíduos saudáveis. O fato é que alguns suplementos “ditos como termogênicos” fabricados em outros países podem ter na sua formulação drogas ou outros elementos que não tenham comprovação de segurança, por este motivo quando se falar em termogenicos será preciso investigar a origem do produto, caso seja produto brasileiro teremos garantia de que não há perigo, mas se for oriundo de outro país não temos garantia de segurança.
“creatina faz mal?”

Creatina já foi demonizada por muito tempo, chegou a ser proibida no Brasil, mas após muitas evidencias cientificas sobre a segurança no seu consumo ela foi liberada novamente. Muito já se ouviu falar sobre este produto, ainda hoje há leigos e profissionais da saúde (também desprovidos de informações) que acreditam que creatina pode trazer malefícios aos rins, fígado ou outros problemas de saúde. Muitas pesquisas já foram realizadas, todos os resultados isentam creatina de culpa quando se trata de problemas à saúde. Muito pelo contrário do que se pregam as informações sem evidencia, creatina tem sido utilizada para tratamento de algumas patologias e até melhora da qualidade de vida quando se fala na população idosa.

bcaa faz mal”

Não existe nenhum fundamento para dizermos que BCAA traz algum malefício à saúde. Muito pelo contrário, em algumas situações como no caso dos idosos, o BCAA pode trazer maior qualidade de vida pelo fato de ajudar na manutenção da massa muscular. O BCAA é na verdade um suplemento feito com três aminoácidos considerados essenciais na dieta do ser humano, isso porque nosso organismo não pode produzi-los, mas estes tres aminoácidos são essenciais para saúde do ser humano. Na verdade os BCAA estão presentes nos alimentos fonte de proteínas, sendo eles animais ou vegetais todos os alimentos fonte de proteínas tem pelo menos um dos aminoácidos que compõe o BCAA, a única diferença é que o suplemento traz uma quantidade concentrada dos nutrientes.

“suplemento engorda”
Na verdade o que faz a taxa de gordura do individuo aumentar ou reduzir é a quantidade de calorias consumida diariamente. Quando o individuo consome mais calorias do que gasta poderá observar aumento de peso (este peso pode ser gordura), quando se consome menos calorias do que se gasta poderá observar redução de peso. As calorias por sua vez são fornecidas pelos nutrientes como: Carboidratos, Proteínas e Gorduras. Existem alguns suplementos como os hipercalóricos que possuem uma grande quantidade destes nutrientes, mas também temos suplementos que não possuem nenhum deles, ou seja, são isentos de calorias. Generalizar e dizer que os suplementos aumentam as taxas de gordura é completamente errado. Os suplementos que fornecem calorias podem potencializar o aumento de peso e gorduras, mas somente potencializarão os efeitos de uma dieta inadequada. Nem mesmo os hipercalóricos podem ser considerados ruins ou podem ser tidos como fatores determinantes no aumento da taxa de gorduras.

 “posso tomar whey sem treinar ?”

Pode!
Whey protein não é somente uma fonte de proteínas, as proteínas do soro do leite, as quais compõe o whey protein podem trazer inúmeros benefícios à saúde, dentre eles aumento das funções do sistema imune. Aumento/manutenção de massa muscular (no caso dos idosos). A importância das proteínas do soro no controle da hipertensão tem sido foco de inúmeras pesquisas. Pesquisas vêm demonstrando outras propriedades nutricionais e funcionais das proteínas do soro. Estudos evidenciam a ação da fração GMP (das proteínas do soro do leite) na prevenção da cárie assim como na melhora da absorção de zinco. Além destes benefícios ainda há o aumento do aporte proteico calórico na dieta de indivíduos que por algum motivo não conseguem atingir a quantidade adequada deste nutriente.