creatina e treino intenso

Creatina e hipertrofia, como acontece.

A creatina é um nutriente chamado de amina, encontrada naturalmente no organismo, é de extrema importância, pois participa diretamente do metabolismo energético atuando na formação de energia. Ela é sintetizada pelo fígado, rins e pâncreas, a partir dos aminoácidos glicina e arginina, além desta produção natural também pode ser consumida via dieta, através de alimentos de origem animal como carnes e peixes.

Creatina ganhou o carinho do publico praticante de atividade física na década de 90 quando corredores de alta velocidade e também corrida com barreira a usaram-na nas olimpíadas de Barcelona 1992. Nos dias de hoje creatina é amplamente utilizada por atletas que praticam treino de força máxima, força explosiva e velocidade, como por exemplos, fisiculturistas, lutadores, ciclistas, nadadores, atletas amadores e também praticantes de musculação.

Creatina é sem duvida um dos nutrientes mais estudados pela ciência da nutrição. Os estudos e pesquisas apontam para grandes efeitos sobre a hipertrofia muscular, o benefício da hipertrofia é conseguido através do efeito deste nutriente em aumentar a massa magra, auxiliar à recuperação de praticantes de modalidade de força, velocidade e retarda o processo de fadiga, permitindo também uma maior sobrecarga e adaptações do treinamento.
A forma mais comum de suplementação é usar 20 gramas (g) dividida em 4 doses durante 6 a 7 dias, conhecido como fase de saturação, após isso é consumido de 2g a 5g durante o período do protocolo de treinamento estimado, fase chamada de manutenção. A fase de manutenção pode durar anos, porém é sabido que a partir de 14 semanas os efeitos da creatina parecem se reduzir não se sabe se é uma espécie de redução da absorção, no armazenamento ou na utilização dos nutrientes. O que sabemos é que não tem nenhuma relação com o que se “prega” por ai onde dizem que o organismo deixa de produzir.

A suplementação com creatina facilita a ressíntese rápida do trifosfato de adenosina (ATP) para o processo fisiológico de transferência energética denominado sistema ATP-CP que ocorre no início do exercício anaeróbio.

Muitas pessoas não sabem se creatina aumenta a força e como consequência o individuo desenvolve a hipertrofia muscular ou se ocorre a hipertrofia muscular e posteriormente o aumento de força, mas o fato é que ambas as situações são observadas por indivíduos que suplementam com creatina submetem-se a treinamento de força. A grande maioria dos estudos indica que a suplementação aguda com creatina pode rapidamente elevar o ganho de força e de massa muscular, principalmente através do aumento do volume de água intracelular.

A suplementação com creatina mostra-se efetiva na melhoria do desempenho físico, porém, é importante entendermos que um programa de treinamento adequado, onde o individuo é submetido a  condições específicas de exercício, principalmente aquelas em atividades de alta intensidade são necessários para que haja demanda por este nutriente.