Castanha-do-pará

Castanha-do-pará: Saiba como incluir a oleaginosa na sua dieta!

A castanha-do-pará é um alimento bastante tradicional na cultura e gastronomia brasileira. Dificilmente, você irá se deparar com alguém que não a tenha experimentado pelo menos uma vez, seja como um aperitivo ou como parte de alguma receita – você irá descobrir que essa castanha é um ingrediente bastante versátil.

E essa castanha é tão tradicional que se difundiu no exterior com um nome que prova isso: em inglês, ela é chamada de Brazil nut, ou, em bom português, castanha do Brasil.

A respeito do nome da semente, é importante saber que ela pode ser encontrada tanto como “castanha-do-pará” quanto como “castanha-do-brasil”. Apesar do primeiro nome ser mais popular e difundido (é com esta nomenclatura que geralmente é encontrada à venda), tecnicamente o nome correto é o segundo, ou seja, “castanha-do-brasil”.

O nome foi adotado pela EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, como sendo o “oficial”, por assim dizer, da semente.

Veja aqui os principais tópicos sobre a castanha-do-pará:

  1. Castanha-do-Pará: O que é?
  2. Castanha-do-Pará: Benefícios
  3. Castanha-do-Pará engorda?
  4. Incluindo a castanha-do-pará na dieta
  5. Castanha-de-caju: Outra opção de oleoginosa para sua dieta

CASTANHA-DO-PARÁ: O QUE É

A castanha-do-pará (ou castanha-do-brasil) é a semente de uma árvore chamada castanheira-do-brasil, que tem como nome científico Bertholletia excelsa. Ela pode ser encontrada com outros nomes, a depender da região e localidade do país, como castanha-do-brasil, castanha-da-amazônia, castanha-do-acre, noz amazônica, noz boliviana, tocari e tururi.

Trata-se de uma árvore de grande porte, muito comum na floresta amazônica distribuída pela região norte do Brasil e na Bolívia. Ela pertence à família Lecythidaceae, uma família de angiospermas – plantas que possuem flor.

A família possui cerca de 20 gêneros e 300 espécies, que variam de grandes árvores (como a castanheira) até arbustos e lianas. Como já foi mencionado, a castanheira é encontrada na região amazônica, mas outras plantas desta família se distribuem por outros ambientes, como Caatinga, Mata Atlântica e Cerrado. Portanto, membros da família Lecythidaceae estão distribuídos por 27 estados do Brasil.

A castanha-do-pará é, portanto, uma semente. Apesar de ser conhecida como um alimento brasileiro mundo afora, atualmente, o maior produtor e exportador da semente não é o Brasil, mas, sim, a Bolívia, país vizinho e que também conta com regiões amazônicas. Isso acontece, muito em parte, devido ao desmatamento das florestas na região Norte do Brasil, que reduziu drasticamente a quantidade de castanheiras.

A castanha-do-pará é uma oleaginosa. As oleaginosas são alimentos de origem vegetal que têm como principal característica o alto valor nutricional em gorduras monoinsaturadas, também chamadas de “gorduras boas”. Esses alimentos costumam ser ricos em proteínas, fibras, algumas vitaminas, como as do complexo B e diversos minerais.

Outra característica das oleaginosas são seus poderosos compostos antioxidantes, um reconhecido benefício das nozes. Além da castanha-do-pará, outras representantes deste grupo são a castanha-de-caju, outros tipos de nozes e amêndoas.

CASTANHA-DO-PARÁ: BENEFÍCIOS

Um estudo realizado pelo Imperial College London, em conjunto com uma universidade da Noruega (Nut consumption and risk of cardiovascular disease, total cancer, all-cause and cause-specific mortality: a systematic review and dose-response meta-analysis of prospective studies, BMC Medicine, 2016), elaborou uma revisão e análise de mais de 20 estudos científicos sobre oleaginosas que envolveram mais de 800 mil pessoas, para concluir que o consumo diário de oleaginosas pode trazer diversos benefícios ao organismo, incluindo prolongar o tempo de vida.

Isso porque, segundo essa grande pesquisa, com apenas 28 gramas diárias de alimentos como a castanha-do-pará, pode-se reduzir o risco de diversos problemas, como doenças cardíacas, derrames, alguns tipos de cânceres, além de reduzir a chance de morte por doenças respiratórias, mortalidade por diabetes e a probabilidade de mortes por infecções.

Todos esses males, apesar de diferentes, podem ser combatidos com o consumo de oleaginosas, devido à grande variedade de vitaminas, minerais e ação antioxidante. Falando especificamente da castanha-do-pará, ela é conhecida especialmente por ser uma fonte muito rica de um mineral chamado selênio.

O selênio é um poderoso antioxidante, capaz de combater os danos causados pelo estresse oxidativo das células. Além disso, ele está envolvido em incontáveis processos do corpo, como biossínteses e mecanismos imunes, e é capaz de prevenir uma grande variedade de doenças. Outros benefícios do selênio são auxiliar as atividades da glândula tireoide e preservar ossos e articulações do corpo.

Além de selênio, a castanha-do-pará contém outros nutrientes em sua composição em bons níveis, como gorduras saudáveis para o corpo, proteínas, cálcio, ferro, fósforo, magnésio, potássio, zinco e vitamina E.

CASTANHA-DO-PARÁ ENGORDA?

Todos os nutrientes mencionados acima fazem com que a castanha-do-pará seja um alimento bastante saudável, capaz de proporcionar diversos benefícios para o corpo. No entanto, cabe um alerta: essa oleaginosa é bastante calórica e, caso consumida em excesso e atrelada a uma dieta hipercalórica, pode, sim, engordar.

O ideal é fazer um consumo moderado da semente e, sempre que possível, buscar acompanhamento nutricional com um nutricionista. Esse profissional será capaz de analisar seu perfil e poder indicar com precisão a quantidade adequada de castanha-do-pará a ser consumida diariamente.

INCLUINDO A CASTANHA-DO-PARÁ NA DIETA

Como já foi mencionado, a castanha-do-pará costuma ser consumida como aperitivo (ou snacks), servido em pequenas porções, assim como é tradicional com outras oleaginosas, tal qual o amendoim.

Isso se deve ao fato dela ser saborosa e também prática, pois são pequenas sementes. No entanto, se engana quem pensa que a castanha-do-pará se limita a essa forma de consumo. O seu emprego na gastronomia é bastante vasto, e ela pode ser combinada com muitos outros ingredientes para diversas receitas saborosas que podem ser consumidas no seu cotidiano, deixando sua dieta mais saudável e nutritiva.

Você pode utilizá-la, por exemplo, triturada como uma farinha. Assim, ela se torna a base para receitas de doces, bolos, tortas e pães, sozinha ou combinada com a farinha de trigo. Outra possibilidade é cortá-la em pequenos pedacinhos para fazer uma espécie de “farofa”. Essa forma também combina com receitas, tanto doces, quanto salgadas, e, quando adicionada, proporciona uma dose extra de sabor e crocância.

Um exemplo bem legal é o biscoito de castanha-do-pará. Sim, aqueles típicos biscoitinhos amanteigados, ideais para a hora do lanche ou do café, podem ser feitos com farinha de castanha-do-pará. Basta substituir a farinha de trigo e adicionar, à farinha da castanha, manteiga, ovo, açúcar, amido de milho e uma pitadinha de sal. Você pode encontrar diversas receitas de biscoitinhos assim na internet.

Os pães, considerados por muitos verdadeiros vilões da dieta, podem ficar mais saudáveis e nutritivos quando combinados com essa castanha. Seja em forma de farinha, combinada com a farinha de trigo (dê preferência para a versão integral), ou em pedaços, proporcionando crocância ao pão, a castanha-do-pará é uma ótima forma de deixar seus pães caseiros mais especiais.

Mas não somente em receitas corriqueiras e cotidianas essa oleaginosa vai bem. Sabe aquele bolo de aniversário saboroso que costuma ser muito calórico e pouco nutritivo? Pois bem, existem receitas muito saborosas de bolos comemorativos que utilizam a castanha-do-pará. Considere essa possibilidade para deixá-lo mais saudável.

Bom, após alguns exemplos de como incluir a castanha-do-pará na sua dieta, deu para perceber que a semente é bastante versátil. Inteira, cortada em pequenos pedaços ou em farinha, use e abuse da sua criatividade na cozinha para elaborar iguarias gastronômicas com esse pequeno e nutritivo ingrediente.

CASTANHA-DE-CAJU: OUTRA OPÇÃO DE OLEAGINOSA PARA SUA DIETA

Assim como a castanha-do-pará, a castanha-de-caju é uma oleaginosa que pode ser incluída em sua alimentação, pois é um alimento bastante nutritivo e saboroso.

Um fato curioso sobre essa castanha é que ela se origina junto com o caju, na árvore chamada cajueiro (Anacardium occidentale). Enquanto a maioria das pessoas acredita que o caju é o fruto da árvore, a castanha-de-caju é, na verdade, o fruto. O caju, tão apreciado pelos brasileiros, é um pseudofruto, também chamado de pedúnculo floral.

O Brasil, juntamente com Índia, Moçambique, Tanzânia e Quênia, é um dos maiores produtores mundiais dessa oleaginosa. A agroindústria do caju se concentra no Nordeste, especialmente no Ceará, Piauí e RIo Grande do Norte, que detêm 99% da produção nacional.

Os benefícios da castanha-de-caju são muitos, assim como seus nutrientes. Ela é rica em gorduras boas, que ajudam a proteger o coração, e em minerais como magnésio, ferro e zinco. Assim como a castanha-do-pará, essa castanha também contém poderosos antioxidantes, capazes de prevenir alguns tipos de cânceres e combater o envelhecimento precoce.

A castanha-de-caju se tornou muito popular como aperitivo salgado. Você pode encontrá-lo em estádios esportivos e outros eventos. No entanto, ele também não se limita a isso, sendo amplamente utilizado na gastronomia brasileira como farinha e picado em pequenos pedaços. Vale a pena explorar as possibilidades que essa oleaginosa oferece na cozinha, especialmente em receitas fit.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
VOLP, Ana Carolina Pinheiro et al. Efeitos antioxidantes do selênio e seu elo com a inflamação e síndrome metabólica. Revista de Nutrição, v. 23, n. 4, p. 581-590, 2010.

VIARO, Renata Schneider; VIARO, Maurício Schneider; FLECK, Juliana. A importância bioquímica do selênio para o organismo humano. Disciplinarum Scientia| Saúde, v. 2, n. 1, p. 17-21, 2016.

CARDARELLI, Haíssa Roberta; OLIVEIRA, Antonio Joaquim de. Conservação do leite de castanha-do-pará. Sci. agric., Piracicaba , v. 57, n. 4, p. 617-622, Dec. 2000 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-90162000000400004&lng=en&nrm=iso>.

DA VINCI-UNIASSELVI, CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO; DO PARÁ, AS PROPRIEDADES DA CASTANHA. As Propriedades da Castanha-do-pará: seus benefícios alcançam mais que o paladar.

MELO, M.L.P. et al . CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DA AMÊNDOA DA CASTANHA DE CAJU (Anacardium occidentale L.) CRUA E TOSTADA. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas , v. 18, n. 2, p. 184-187, May 1998 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-20611998000200008&lng=en&nrm=iso>

Aune, D., Keum, N., Giovannucci, E. et al. Nut consumption and risk of cardiovascular disease, total cancer, all-cause and cause-specific mortality: a systematic review and dose-response meta-analysis of prospective studies. BMC Med 14, 207 (2016).