Vitamina C – Ajuda no esporte e na musculação


O oxigênio é indispensável para manutenção da vida.

Entretanto de acordo com algumas reações químicas e as vias metabólicas de sua utilização em nosso organismo, podem ser gerados radicais livres em decorrência das trocas de cargas elétricas nas moléculas, que por sua vez possuem efeito nocivo ao nosso organismo.

Durante a atividade física, por meio do processo de transferência de carga elétrica no metabolismo celular, é gerada uma grande quantidade de radicais livres, que por sua vez gera prejuízo ao desempenho atlético.  Os radicais livres podem atacar todas as biomoléculas sendo que os lipídeos são os mais sensíveis.

Nosso organismo possui uma boa capacidade de combater tais radicais, através de agentes antioxidantes, porém quando em situação de estresse físico (exercício de alta intensidade) ou de patologias a relação de antioxidantes X radical livre pode ficar muito alterada havendo prejuízos, ocorrendo assim estresse oxidativo.

Dois dos fatores mais importantes para gerar tal estresse são carga e volume de trabalho (tempo e intensidade do treino).  Quando ocorre desequilibro entre condição pro-oxidante e antioxidante acontece prejuízo nas funções vitais de músculos, tecido hepático, tecido adiposo, tecido vascular e cerebral.

Durante exercícios de alta intensidade ou de longa duração ocorre uma privação ou consumo insuficiente de oxigênio acarretando na produção de acido lático, o que resulta na produção de radicais livres. Tais moléculas podem interferir no desempenho do atleta.

Com intenção de combater o estresse oxidativo o organismo usa o sistema de defesa antioxidante o qual é formado por inúmeros elementos. De uma forma geral os antioxidantes impedem que ocorram prejuízos aos aminoácidos, aos lipídeos, entre outras células. A defesa de nosso organismo pode ser gerada através do consumo de uma dieta em vitaminas, minerais e nutrientes. De acordo com o consumo alimentar são produzidos os antioxidantes, trata-se de substâncias capazes de inibir ou atrasar a oxidação de elementos celulares.

Existe uma classificação dada a tais elementos de acordo com sua função antioxidante.  Temos então os antioxidantes de prevenção (impedem a formação de radicais livres), Antioxidantes varredores que impedem o ataque as células, antioxidantes de reparo são aqueles que favorecem a remoção de danos a molécula de DNA. Uma dieta equilibrada e treinamento físico adequado são apontados como potencializadores da defesa antioxidante do organismo. Entre os nutrientes necessários em uma dieta estão as vitaminas, dentre elas podemos citar com grande eficiência neste trabalho a vitamina C.

Este nutriente não pode ser sintetizado por nosso organismo, a dose necessária de vitamina C para manutenção do nível de saturação é de 100mg ao dia. O Acido Ascórbico participa de uma grande quantidade de reações químicas, como: processos celulares de oxiredução, síntese e metabolismo de neurotransmissores, síntese de hormônios e metabolismo de minerais como ferro.

A vitamina C esta presente na categoria dos antioxidantes varredores, que impedem que os radicais livres ataquem as células, sua função é proteção celular, além disso, esta vitamina pode interagir nos processos de trocas de cargas elétricas de diversas espécies e por isso a vitamina C é considerado o mais potente e importante antioxidante dietético. Vários estudos comprovara que uma dieta pobre em vitamina C permite que haja mais lesões e inflamações decorrentes de esforços físicos. Ao passo que dietas que receberam complementação com vitamina C (200mg/dia) reduziram a taxa de oxidação lipídica por exercícios físicos.

A dica então é consumir vitamina C via alimentos ou via suplementos nas horas que antecedem e também que sucedem uma sessão de treino. Desta forma estaremos fornecendo nutrientes capazes de impedir o ataque dos radicais livres.

Muitas pessoas suplementam com vitamina C em capsula após o treino. Mas podem ser consumidos alimentos fonte de vitamina C como: lichia, laranja, limão, manga, abacaxi, goiaba, melão, kiwi, caju…

Texto redigido por Diogo Cìrico
Nutricionista Esportivo R.T. Growth Supplements

Referencias

ARANHA, Flávia Queiroga et al. O papel da vitamina C sobre as alterações orgânicas no idoso. Rev. Nutr. [online]. 2000, vol.13, n.2 [cited  2015-09-21], pp. 89-97

COSTA, Maria José de Carvalho et al. Efeito da suplementação com acerola nos níveis sangüíneos de vitamina C e de hemoglobina em crianças pré-escolares. Revista de Nutrição, Campinas, v. 14, n. 1, abr. 2001.

Cruzat, F.V.; Rogero, M.M.; Borges, C.M. Tirapegui, J. Aspectos Atuais Sobre Estresse Oxidativo, Exercícios Físicos e Suplementação. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. São Paulo. Vol.13. Num. 5. Setembro/Outubro 2007. p. 336-342.

MANELA-AZULAY, Mônica et al. Vitamina C. An. Bras. Dermatol. [online]. 2003, vol.78, n.3 [cited  2015-09-21], pp. 265-272

Silvestre, M.G.P; Vilhena, R.N; Pepeliascov. I.L; Milliotti, F. A. Vitamina C como Antioxidante em exercícios de endurance. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo. V.3.n.16 Julho/Agosto 2009. p.313-318