Qual a melhor forma de tomar BCAA?

Os momentos de nossa rotina onde observamos aumento da necessidade de BCAA são os momentos que antecedem e também os momentos que sucedem o treino (refeição pré-treino e pós-treino). Estes dois momentos são especialmente indicados pois o tecido muscular cria necessidade especifica, cria uma demanda de nutrientes especial devido aos movimentos de contração e relaxamento das fibras musculares.

Esta necessidade pode ser justificada pelas vias bioquímicas envolvidas no catabolismo desses aminoácidos. Diferentemente de outros aminoácidos, que são oxidados primariamente no fígado, o metabolismo dos BCAA acontece no músculo esquelético.

Ao consumirmos BCAA antes do treino estaremos proporcionando maiores condições de treino devido ao retardo na instalação da fadiga. A fadiga e consequentemente redução do desempenho atlético durante o exercício físico pode estar relacionada a diversos fatores, estes podem ser influenciados pela intensidade e duração do exercício, ingestão de nutrientes e o nível de treinamento do indivíduo. O exercício intenso e prolongado provoca redução dos estoques de glicogênio muscular e hepático, isso faz com que outros substratos sejam usados como fontes de energia, como os BCAA, que são captados primariamente pelo tecido muscular e apresentam aumento da sua oxidação no decorrer do exercício físico. A redução da energia contida nos músculos é um fato, uma situação certa de acontecer quando falamos em exercícios intensos e de longa duração, a fadiga então será um fato caso não haja disponibilidade de BCAA para o tecido muscular.

Outro efeito causado pela suplementação de BCAA é a redução de captação de um aminoácido chamado triptofano pelo cérebro, esta captação também é apontada como causadora de fadiga.
Quando falarmos da situação que sucede o treino estaremos falando de uma situação que pode resultar em melhora do balanço proteico muscular, isso pode ocorrer através dos estímulos proporcionados com os movimentos e também das cargas empregada nos exercícios. Porém, na ausência da ingestão de alimentos corretos, o balanço proteico permanecerá negativo.
Por este motivo verificamos que a ingestão de aminoácidos de cadeia ramificada (BCAA) aumenta a taxa de síntese proteica muscular. De fato temos que o consumo de uma solução de aminoácidos de cadeia ramificada (BCAA) estimula a taxa de síntese de proteínas no músculo humano. Isso pode ser justificado pelo fato de que o aumento da disponibilidade destes aminoácidos promove aumento do transporte dos mesmos para o interior da célula muscular estimulando assim a síntese de proteínas.

A suplementação de BCAA ainda aumenta a fosforilação (via metabólica que utiliza energia do nutriente) de proteínas envolvidas na regulação da síntese proteica muscular, consequentemente haverá mais condições para que o organismo produza anabolismo.
Além disso, a suplementação de BCAA também é capaz de reduzir a dor muscular de inicio tardio (DMIT) e também lesão induzida pelo exercício que observamos cerca de 24h a 48h após o treino. Dentre os possíveis mecanismos relacionados a esses efeitos destacam-se a possibilidade dos BCAA atenuarem a degradação proteica pós-exercício e o fato da leucina poder estimular a síntese proteica muscular.

Devidos a estas e também outras implicações ao metabolismo os BCAA são melhores aproveitados quando consumidos antes do treino ou depois do treino. Não esta errado consumir estes nutrientes em outros horários, mas a questão é que eles serão melhores aproveitados quando a demanda pelo músculo aumenta.