Entenda como a dieta cetogênica te faz perder gordura

Já pensou em comer gordura para queimar gordura? Na dieta cetogênica é justamente isso que acontece! Ela foi popularizada por Robert Atkins, um médico americano que teve seu trabalho reconhecido mundialmente a partir de estudos relacionados ao emagrecimento e consumo de carboidratos.

É esse, inclusive, o ponto que serve de base para quem adere ao regime, que tem como principal promessa a perda de gordura ao mesmo tempo que a massa magra é protegida.

Será que a dieta cumpre o prometido? Acompanhe o nosso post de hoje e descubra a resposta!

O que é a dieta cetogênica?

A dieta cetogênica foi uma das primeiras a defender o fato de que a maioria dos casos de obesidade que ocorrem na sociedade moderna não são causados pelo consumo excessivo de gordura.

Esqueça aquele papo de que “quanto mais calorias, mais peso na balança”. Para os médicos e profissionais que estudam a dieta, não é necessariamente assim que funciona.

O acúmulo de gordura aconteceria por causa do consumo exagerado dos carboidratos, principalmente os simples, e também os complexos, mas de rápida digestão.

Na lista do que evitar, está:

  • pães brancos;
  • doces;
  • refrigerantes
  • arroz branco;
  • açúcar de mesa;
  • mel;
  • sorvete;
  • macarrão branco;
  • farinha branca;
  • suco de frutas;
  • etc.

Como a dieta cetogênica funciona?

Conhecendo os principais alimentos prejudiciais para o nosso organismo, de acordo com a dieta, passamos agora para o funcionamento dela. Não tem segredo: é “só” eliminar quase que ao máximo os carboidratos.

O “só” está entre parênteses, pois, nada é tão fácil quanto parece ser. Apesar de aparentemente simples, é preciso tomar uma série de cuidados e entender a fundo a dieta e sua ação no organismo para só depois compreender como ela ajuda na perda de gordura.

Pois então: agora que sabemos que o carboidrato será eliminado da rotina, o que resta para se alimentar?

Absolutamente todos os outros tipos de comida. Se não tem carboidrato, pode! Proteínas e gorduras estão liberadas à vontade (proteínas devem ser consumidas com um pouquinho mais de moderação), pelo período que quiser e na quantidade desejada.

Carboidratos existirão de forma praticamente mínima em sua dieta. Isso significa que você poderá comer um monte de coisa muito gostosa, várias delas nada convencionais em dietas, como as seguintes:

  • picanha;
  • bacon;
  • presunto;
  • queijos brancos;
  • patês;
  • ovos;
  • literalmente todas as carnes, até aquelas bem gordurosas.

Entendendo o processo de cetose

Para entender a dieta cetogênica, é preciso conhecer um processo muito importante que ocorre no nosso organismo: a cetose.

Carboidratos são as principais fontes de energia de uma pessoa (como já estamos cansados de saber) o que significa que eles são necessários para que nosso corpo mantenha um bom funcionamento diário.

Quando o composto é eliminado na dieta, o corpo precisa buscar por outras formas primárias de energia, e encontra a gordura para substituir. Seu fígado quebrará as moléculas de gordura, vindas tanto da alimentação quanto do tecido adiposo, e transformá-las em ácidos graxos e corpos cetônicos.

Corpos cetônicos (daí vem o nome da dieta) são moléculas do organismo solúveis em água, usados como fonte de energia. Eles conseguem atravessar a barreira hematoencefálica, que são estruturas presentes no sistema nervoso central responsáveis por manterem diversas substâncias encontradas no sangue do lado de fora do cérebro.

Já que os corpos cetônicos têm a capacidade de ultrapassar essas barreiras, o cérebro vai receber quantidade suficiente de energia para funcionar. A cetose é justamente o momento no qual o organismo para de usar os carboidratos como fonte de energia, encontrando na queima de gordura a alternativa perfeita para solucionar a carência.

É comum que ela comece a acontecer mais ou menos três dias após iniciar o corte de carboidratos. Para que a queima de gordura aconteça e a cetose se concretize, no entanto, é necessário comer mais alimentos que contenham a substância.

Não pense que ao parar de consumir carboidratos, o corpo começa automaticamente a queimar logo de cara todas as gordurinhas indesejadas que já existem no seu organismo, pois isso não acontece!

Identificando o processo de cetose

Sabendo que logo de cara já é possível entrar em cetose, existem alguns sintomas que podem te ajudar a perceber o ocorrido, e os principais são:

  • mau hálito;
  • dor de cabeça;
  • fraqueza;
  • náusea;
  • sensação de “gripe” (conhecida como a gripe low carb).

Isso acontece pois ao diminuir o nível de carboidrato no corpo para quase zero, é como se seu corpo estivesse mudando o combustível da gasolina para o etanol, por exemplo.

É completamente normal sentir certo desconforto, já que a principal fonte de energia necessária para que seu corpo funcione está passando por um processo completo (e complexo!) de mudança.

Diminuir o consumo de carboidratos faz com que o rim excrete sódio e que o corpo perca água. Esse fator, principalmente, é o responsável pelos sintomas anteriores.

Apesar de tudo, não é preciso se preocupar! Os sintomas geralmente passam em média com 3 semanas de dieta no máximo, e muita gente nem chega a perceber os desconfortos.

Se você quer ter certeza que a redução de carboidratos na sua dieta desencadeou o processo, é necessário comprar um teste de urina que geralmente é vendido para pessoas que têm diabetes, confirmando ou anulando a dúvida.

Quando algum portador da diabetes encontra níveis de corpo cetônico no organismo, é um problema. Por isso usam o teste, que serve também para os adeptos da dieta cetogênica.

Quais são seus benefícios na perda de gordura?

Sabendo como funciona o processo de cetose, é hora de entender como a dieta cetogênica ajuda a perder gordura.

Ao entrar em cetose, o que acontece no organismo é o seguinte: a gordura se torna a fonte de energia principal do corpo, ou seja, ao atingir um certo nível, começará a ser consumida, o que já é um ponto favorável. Além disso, já que você não consome mais carboidratos, não vão existir mais picos de insulina na sua rotina.

Os picos de insulina fazem com que o hormônio do crescimento (que influencia no aumento de musculatura corporal) seja inibido pelo organismo.

Quando o seu corpo não passa mais por esse processo, vai ser mais fácil perder gordura e mais difícil acumular as gorduras localizadas, que aumentam muito no meio de um pico. A partir da junção desses fatores, fica muito mais fácil emagrecer.

Quais são os principais benefícios?

A dieta cetogênica possui vários benefícios. Listamos os principais a seguir, explicando o motivo de cada um deles:

 

Redução do apetite

Quando alguém se encontra em estado cetogênico, o que acontece é a inibição do apetite. E não, ela não é negativa!

Isso ocorre pois a alta ingestão de proteínas unida com a redução dos carboidratos reduz aqueles picos de insulina que já falamos anteriormente, que também são responsáveis por aumentar o apetite e levar uma pessoa a se alimentar muito mais do que ela precisa.

Ou seja: você vai se alimentar quando precisa, vai se sentir saciado e, em consequência disso, parar de engordar.

Aumento nos níveis do HDL, o colesterol “bom”

As lipoproteínas de alta densidade, conhecidas popularmente como o colesterol “bom”, aumentam drasticamente em dietas de baixo carboidrato. O aumento de gorduras é bom para elevar os níveis de HDL no corpo principalmente por causa de gorduras saudáveis, como nozes e azeite.

A principal vantagem relacionada ao fato é que pessoas com alto HDL possuem menos chances de desenvolverem doenças cardíacas.

Diminuição dos triglicerídeos

Os triglicerídeos (ou triglicérides) são um tipo de gordura presente no sangue, conhecidos por serem a reserva de energia do organismo, e é a partir deles que o seu músculo consegue energia.

Quando essa reserva não está sendo usada como forma de energia, ou seja, quando existe muita quantidade no corpo, passam a ser armazenados no tecido adiposo em forma de gordura.

Em níveis elevados, podem desencadear alguns transtornos como o AVC, esteatose hepática (acúmulo de gordura no fígado), pancreatite, obesidade e doenças cardiovasculares.

Açúcares simples e refinados são os principais responsáveis pelo acúmulo dessa gordura que pode ser tão perigosa quando em excesso. Já que na dieta cetogênica o nível de carboidrato é mínimo, os níveis dos triglicerídeos estarão ok.

Existem contraindicações?

Por mais que a dieta seja muito boa para quem busca o emagrecimento e a redução de gordura corporal, ela não deve ser seguida por um período de tempo longo demais. É importante frisar que existem algumas contraindicações que merecem atenção.

Lembrando que a melhor opção sempre é o estudo e procura por treinos e dietas integrados com consultas à nutricionistas e profissionais da saúde de confiança!

Rins e fígado podem ficar sobrecarregados

Ao consumir muita proteína, os órgãos responsáveis por metabolizar as moléculas ficam sobrecarregados e prejudicados.

A sobrecarga pode gerar problemas como a pedra nos rins, pois os corpos cetônicos, o nitrogênio e a ureia são muito mais liberados na corrente sanguínea. Eles deveriam ser excretados pelo organismo, porém ao circular de forma livre pelo corpo, o pH aumenta e faz com que o sangue se torne mais ácido do que o normal.

Para tentar neutralizar a acidez, inclusive, o corpo precisa retirar cálcio dos ossos, fazendo com que os riscos de osteoporose aumentem.

A massa magra pode ser comprometida

Naquele processo de busca por alternativas ao carboidrato para repor a energia, seu corpo pode consumir os glicogênios presentes nos músculos, ou seja, massa magra.

O consumo de massa magra pelo organismo pode diminuir muito o metabolismo, dificultando a perda de peso. Por isso, é preciso cuidado!

Agora que você entendeu um pouquinho mais e esclareceu as principais dúvidas que envolvem a dieta cetogênica, aproveite para conferir os suplementos que podem ajudar você na perda de peso!