Dicionário de academia

Dicionário da academia: conheça os termos para se inteirar mais

Ao ouvir as pessoas que praticam musculação falando entre si, pode parecer até mesmo que estão falando grego. São diversos termos, produtos e nomes de exercícios que constituem até mesmo um novo dicionário. Esse novo universo com certeza vai gerar muito interesse em você, especialmente se você está com o foco no progresso dos treinos e nas melhorias na dieta. Aos poucos você vai conhecendo todos eles, afinal, não dá pra saber de cor todos os exercícios e todos os processos metabólicos no primeiro dia de treino. Para quem ainda está na dúvida e deseja matar a curiosidade sobre algumas delas, vale a pena consultar nosso guia. Assim você vai perceber que não há mistério nenhum em todo esse processo e que os nomes difíceis mascaram coisas bem simples e importantes na sua rotina. Confira:

Hipertrofia

Esse é um dos primeiros termos que você vai ouvir e que não vai parar de aparecer na sua rotina na academia. A famosa hipertrofia nada mais é do que o processo de crescimento do tecido, especialmente o tecido muscular durante os exercícios. Ela é basicamente a resposta do seu corpo aos exercícios que você encara no dia a dia. As fibras musculares são quebradas com as séries mais intensas, se reconstituindo com a ajuda das proteínas que você fornece através da dieta. Tudo isso produz o tal crescimento, que fica visível nos músculos ao longo do processo.

Suplementos ou anabolizantes?

Essa dúvida deve ter surgido na sua cabeça ou, principalmente, na cabeça de amigos e familiares próximos. Há uma grande diferença entre esses dois tipos de produtos, especialmente no que diz respeito ao risco para a saúde. Por isso, vale a pena entender a definição de cada um e acalmar todo mundo que questionar o seu Whey depois do treino. Os anabolizantes são produzidos à base de hormônios e podem gerar sérios riscos ao organismo. Já os suplementos são fornecedores de nutrientes que auxiliam na sua dieta, garantindo os elementos que seu corpo precisa na prática dos exercícios. É o caso do Whey Protein, produzido através do leite, um ingrediente natural.

Aminoácidos essenciais

Responsáveis por formar a estrutura das conhecidas proteínas, os aminoácidos são indispensáveis para o nosso corpo. Existem duas famílias de aminoácidos, os essenciais e os não essenciais. O diferencial dos essenciais é justamente o fato de que eles não podem ser produzidos pelo nosso próprio corpo – ou seja, devem ser sempre incluídos através da alimentação ou, no caso, da suplementação. Entre eles estão a Leucina e a Glutamina, por exemplo. Eles ajudam no reparo, crescimento e no próprio desenvolvimento dos músculos. São tão importantes que alguns dos aminoácidos ajudam até mesmo na produção das enzimas digestivas. É possível encontrar os aminoácidos essenciais no famoso BCAA, um dos principais suplementos alimentares do mercado.

Catabolismo

Um dos principais vilões de todos os atletas, o catabolismo é um conceito que você precisa saber de cor e salteado. Ele ocorre quando o corpo precisa assimilar ou processar a matéria adquirida para obter mais energia. Ou seja, é o uso de moléculas grandes para garantir o combustível para o seu organismo – entre elas, as proteínas do tecido muscular. Isso prejudica diretamente o resultado dos seus treinos, justamente porque o corpo acaba usando o músculo como fonte de energia, retardando o processo de ganho de massa muscular. Por isso, lembre-se sempre de garantir que seu organismo terá energia suficiente. A alimentação é a melhor saída para isso, por isso, foco na dieta!

Isométrico ou isotônico

A diferença entre os termos está no tipo de treino. Os exercícios isométricos geralmente incluem contrações por, no mínimo, 30 segundos sem movimentação. Um exemplo a ser citado é a famosa prancha, na qual você segura seu corpo através dos músculos por um determinado tempo. Já o treino isotônico é o velho conhecido das aulas de musculação. São as séries que movimentam as articulações incluindo peso, fazendo com que o músculo se estenda e se contraia.