café, pode cortar o efeito da creatina

Café pode cortar o efeito da Creatina?

No esporte, creatina tem sido usada como recurso ergogênico para aumentar a condição de treino e resposta ao exercício dos indivíduos. Suas maiores implicações metabólicas estão voltadas à formação de energia, aumento de massa muscular, aumento de força e redução no tempo de recuperação pós-fadiga.
Já a cafeína, encontrada em suplementos, chás, café ou bebidas energéticas é também usada com intenção de aumento do desempenho atlético, o efeito da cafeína sobre o aumento de força acontece de forma diferente daquele observado para creatina, a cafeína aumenta a sensibilidade dos miofilamentos ao cálcio, o que potencializa a produção de força muscular.

Analisando os efeitos dos dois nutrientes isoladamente parecia uma maravilha poder contar com tantos benefícios, a partir daí a ciência do esporte começou a investigar a combinação entre cafeína e creatina.

Em 1996 Vandenberghe e colaboradores lançaram a hipótese do consumo oral de creatina combinada com o consumo de cafeína, investigaram a hipótese de a combinação facilitar a acumulação muscular de creatina. A cafeína tem mostrado estimular diretamente a atividade da ATPase da bomba de Na+/K+ muscular e aumentar os níveis plasmáticos de epinefrina, estímulos diretos para a atividade do referido mecanismo. Surpreendentemente, resultados iniciais indicaram que a cafeína não melhorava a eficiência da suplementação oral de creatina, não aumentava os níveis musculares de CP, nem aperfeiçoava o desempenho físico. A cafeína teria suprimido completamente o efeito ergogênico da suplementação de creatina.
O estudo avaliou os efeitos da suplementação de creatina oral (Cr) com suplementação de creatina em combinação com cafeína (Cr + C) no nível de fosfocreatina muscular (PCr) e desempenho. Os dados mostraram que a suplementação de Cr aumenta a concentração de PCr muscular e melhorou marcadamente o desempenho durante o exercício intermitente intenso. Este efeito ergogênico, no entanto, foi completamente eliminado pela ingestão de cafeína.

Em 2012 Franco e colaboradores estudaram os efeitos da combinação entre cafeína e creatina sobre a força de fratura óssea em ratos submetidos a exercício de saltos verticais, Os ratos foram distribuídos aleatoriamente em oito grupos com 10 animais em cada, a saber: sedentário placebo (SPl); sedentário creatina (SCr); sedentário cafeína (SCaf); sedentário creatina e cafeína (SCrCaf); exercitado placebo (EPl); exercitado creatina (ECr); exercitado cafeína (ECaf); e exercitado creatina+cafeína (ECrCaf).
Os resultados observados:
a) a suplementação com cafeína diminuiu a força de fratura óssea e ao mesmo tempo aumentou a excreção urinária de cálcio e reduziu a espessura e o peso do fêmur dos animais; isso significa que a cafeína influenciou negativamente na saúde óssea.
b) as suplementações com creatina e com creatina+cafeína não influenciaram a força de fratura e os demais parâmetros ósseos avaliados; Isso nos mostra que a combinação destes dois nutrientes não diferiu em nada na saúde óssea, como se a creatina cobrisse a falha gerada pela cafeína.
c) o programa de saltos verticais na água, por sua vez, aumentou a força de fratura óssea nestes animais. Com esta firmação podemos dizer que o programa de exercícios por si melhorou a saúde dos ossos dos animais.

Em 2016, Silva e Toigo publicaram na Rev. Aten. Saúde., São Caetano do Sul, um artigo de revisão sobre os efeitos do uso concomitante de cafeína e creatina nos exercícios físicos. O referido estudo configurou-se como uma revisão sistemática da literatura, cujas bases de dados consultadas foram LILACS, PubMed e SciELO. Como critérios de inclusão, foram considerados válidos artigos que tratassem diretamente de estudos experimentais em humanos e ratos. Ainda, os efeitos do suplemento de creatina deveriam ser testados concomitantemente com a administração de cafeína em pelo menos um dos grupos experimentais. Após a busca nos bancos de dados, um total de 11 trabalhos que se enquadraram nos critérios de inclusão foram encontrados. Destes, cinco tratavam de estudos exclusivos com creatina e cafeína. Os poucos estudos sobre o uso concomitante de creatina com cafeína que se diferenciam bastante nos testes e protocolos de suplementação aplicados tornam difícil evidenciar se o uso de tais substâncias pode realmente proporcionar efeitos benéficos aos seus consumidores. Os resultados de três artigos realmente evidenciaram um efeito anulador da cafeína sobre os efeitos ergogênicos da creatina, principalmente em testes de desempenho muscular caracterizados por exercícios resistidos intermitentes. Os demais estudos apresentaram evidências contraditórias sobre as variáveis analisadas, principalmente quando a creatina e a cafeína foram administradas em conjunto com outras substâncias.

Como palavra final podemos dizer que ainda não existem evidencias suficientes para afirmar, mas que por cautela não seja combinados creatina e cafeína na mesma estratégia de suplementação.