exercícios que auxiliam no emagrecimento

Anticoncepcional pode engordar e atrapalhar os resultados no treino?

Nosso organismo é regido por muitos fatores, dentre eles podemos citar os hormônios como sendo reguladores de diversas funções de nosso organismo. Homens e mulheres possuem mecanismos fisiológicos diferentes o que os fazem produzir hormônios distintos em concentrações especificas a cada um. Os hormônios esteroides são produzidos pelo córtex da supra-renal e pelas gônadas (ovário e testículo).

Diferenças: Hormônio Feminino X Hormônio Masculino

Homens produzem maior quantidade de testosterona e por isso possuem maior taxa de massa muscular em relação às mulheres, no publico feminino os valores podem ser de 20 a 30 vezes menor do que os homens, deve-se a este aspecto o melhor desempenho físico em esportes que exigem velocidade, força e agilidade.

Nas mulheres o ciclo menstrual pode alterar a concentração de diversos hormônios envolvidos no controle do metabolismo, tais alterações trazem implicações que vão muito além do humor. Todas as mulheres, sendo elas atletas ou simplesmente praticantes de atividade física devem conhecer como o seu corpo muda diante do exercício e principalmente como o treinamento influencia seu corpo. O fato de poderem apresentar oscilação no humor pode fazer das mulheres um publico um pouco mais complexo de trabalhar quando o assunto é rendimento físico, sejam praticantes de atividade física ou atletas, já o sexo masculino acaba sendo mais estável. A progesterona, um dos hormônios que mais sofre alteração durante o ciclo menstrual pode aumentar várias vezes se compararmos os valores durante e após a menstruação.

Fernando Beltrami colunista da Revista Contra Relógio, especializada em corrida explica que o ciclo menstrual, com duração aproximada de um mês, promove grandes alterações nas concentrações de diversos hormônios no organismo feminino. Os quatro principais hormônios envolvidos no ciclo menstrual são o estrogênio, a progesterona, o hormônio luteinizante e o hormônio folículo estimulante, todos controlados pelo “eixo” formado pelo hipotálamo, glândula pituitária (ambos localizados logo abaixo do cérebro) e os ovários. De modo geral, estas diferenças em concentrações podem ser divididas em dois períodos, que são separados pelo momento da ovulação (não confundir com menstruação). No período pré-ovulação, conhecido como fase folicular, a concentração circulante dos hormônios estrogênio e progesterona (este último o equivalente feminino da testosterona masculina) é baixa, sendo que a concentração de estrogênio aumenta gradualmente ao longo da fase.

Como o anticoncepcional pode atrapalhar e engordar?

Uma das principais dúvidas das atletas é justamente se o anticoncepcional engorda. Grande parte das atletas e mulheres praticantes de atividade física usa contraceptivos hormonais, esta pratica pode atrapalhar o desempenho esportivo.  Segundo e  ELLIOTT-SALE em artigo publicado na Revista brasileira de educação física e esporte (publicação da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo), o tipo de progesterona contido dentro do contraceptivo pode influenciar a resposta anabólica do músculo, embora esta relação seja complexa em virtude dos efeitos diretos ou indiretos de hormônios exógenos na síntese da proteína e na proliferação das células satélites. Esta influencia pode ser causada pela redução na quantidade de testosterona livre circulante, a produção de testosterona não é influenciada, porém O anticoncepcional reduz a concentração testosterona livre uma vez que influencia a produção de SHBG (Globulina Ligadora de Hormônio Sexual) que é fabricada pelo fígado. Esta proteína se liga de forma muito à testosterona fato este que reduz a forma ativa(livre) da testosterona. No que as atletas observam redução da testosterona livre pode haver manifestação na redução da libido, bem-estar, energia, humor e inclusive redução de muscular. Déficit ou baixas concentrações deste hormônio dificulta o desenvolvimento muscular adequado, seja ele aumento de massa muscular/anabolismo ou redução do tecido adiposo/oxidação. Em casos mais graves pode gerar redução de massa muscular o que também é chamado de catabolismo. Essa redução de massa muscular gera também uma redução da velocidade do metabolismo. Uma alternativa adotada por algumas atletas é apostar em outros suplementos, como os termogênicos, para solucionar essa questão.

Como ter os melhores resultados tomando anticoncepcional?

Na dúvida sobre conciliar anticoncepcional e academia, a ajuda profissional é indispensável. Médicos endocrinologistas sugerem que as pacientes usuárias de anticoncepcionais orais façam exames para dosar testosterona total e livre, o SHBG, testosterona biodisponível e o estradiol a cada seis meses, quando houver necessidade pode ser realizada dosagens das transaminases e outros marcadores bioquímicos para analise geral do metabolismo. Quando houver alteração nas taxas hormonais dois profissionais podem ter papel fundamental no tratamento:
– Pode ser recorrido ao acompanhamento nutricional com profissional capacitado que buscará reduzir a enzima aromatase através da dieta.
– Também pode ser realizado tratamento com hormônios é comum o uso de testosterona bioidentica por profissionais médicos.

O uso de contraceptivos orais pode além de reduzir o desempenho atlético causar uma grande quantidade de malefícios ao organismo feminino quando usado por muito tempo. Segundo Raquel Borges de Souza em trabalho apresentado à Universidade Católica de Goiás o uso de contraceptivos orais pode trazer alguns malefícios se usados por muito tempo, dentre eles podemos citar o aumento de duas a três vezes o risco de trombose venosa. Esse risco decresce com a duração do uso e com o decréscimo da dose de estrogênio. Entre outros riscos associados, temos o de hemorragia cerebral e infarto agudo do miocárdio, que aumentam em uma proporção de duas a três vezes quando comparados com os de pacientes que não fizeram uso prolongado da mesma substância. Os riscos de carcinomas ovarianos ou endometriais são relativos e de aproximadamente 0,5 / 0,7 e os de câncer de mama ou cervical de aproximadamente 1,2 / 1,6, com efeitos que perduram por vários anos após a descontinuação do uso. Foram ainda associados, como efeitos inesperados, níveis séricos diminuídos de coenzima Q10, de α-tocoferol, de γ-tocoferol e sua redução da capacidade antioxidante total em todas as usuárias de contraceptivos hormonais. Ou seja, o anticoncepcional pode engordar sim e ainda causar outros efeitos.

A equipe Growth Supplements sugere que antes de iniciar ou interromper qualquer tratamento medicamentoso, um profissional da área da saúde deva ser consultado.