7 fatores que te atrapalham a perder gordura abdominal

Perder gordura abdominal é um objetivo no qual você está muito focado: faz horas de esteira diariamente e opta sempre por uma sopa, um sushi ou uma salada com bastante atum no jantar.

No entanto, sua barriga permanece lá, inderrotável. Isso acontece porque alguns hábitos que você acredita serem eficientes para eliminar a gordura dessa região podem estar, na verdade, sabotando a sua perda de peso.

Duvida? Então confira uma lista de fatores que podem deixar você cada vez mais longe do sonho de conquistar um abdômen sequinho e definido!

1.Você dorme mal

Sim! Dormir mal pode impedir você de conseguir aquela barriga chapada com a qual você tanto sonha e isso pode acontecer por uma série de razões.

O primeiro deles é que dormir pouco nos faz sentir mais fome. Quando você não descansa direito, seu corpo aumenta a produção de um hormônio chamado grelina, que avisa ao seu organismo que está na hora de comer, e diminui a produção da leptina, que é o hormônio responsável pela sensação de saciedade.

Dessa maneira, o cérebro demora para nos avisar quando estamos saciados e acabamos aumentando a ingestão calórica diária, normalmente optando por alimentos mais gordurosos e açucarados, verdadeiros vilões da boa forma.

Além disso, uma noite mal dormida rouba a energia de que você necessita para sair e se exercitar.

Outra consequência negativa da falta de sono para quem busca um shape definido é que a privação do descanso aumenta a produção do cortisol, hormônio que nos faz armazenar mais gordura na região abdominal. Por isso, não abra mão de dormir entre 7 e 9 horas por noite!

2. Você se exercita de maneira inadequada

A cena é bastante comum: a pessoa passa horas em cima da esteira a uma velocidade baixa, sente que está dedicando uma quantidade considerável de tempo para obter o corpo dos sonhos e… não perde gordura abdominal.

Se o seu objetivo é reduzir o percentual de gordura, uma excelente ideia é deixar de lado as longas sessões de caminhadas para investir em aeróbicos mais curtos, mas de alta intensidade, como o HIIT (high-intensity interval training), ou treino intervalado de alta intensidade, em inglês.

Também não abra mão de fazer exercícios específicos para a região abdominal, já que eles fortalecem a musculatura que está debaixo da camada de gordura e, quando ela for eliminada, ficará mais fácil conseguir a tão sonhada barriga definida.

Além disso, é importante lembrar que, quanto mais músculos você conquista, mais calorias o seu corpo queima, naturalmente, para manter-se ativo. Por isso, combinar exercícios aeróbicos e musculação é a maneira mais eficiente de atingir seu objetivo.

3. Você exagera no consumo de alguns grupos alimentares

Se você quer chapar o abdômen, precisa ter em mente que sua alimentação é parte fundamental do processo. Claro que fazer exercícios físicos e dormir bem são muito importantes, mas tomar esses cuidados e não investir em uma dieta limpa pode fazer com que todos os seus esforços sejam em vão.

Evite, por exemplo, consumir açúcar e carboidratos simples — como pão, macarrão, pizzas e doces, por exemplo. Além de bastante calóricos, quando consumidos em excesso, eles aumentam a insulina em nosso corpo, hormônio responsável por controlar a glicose no sangue e que nos torna mais suscetíveis a acumular gordura.

Também procure deixar de lado alimentos muito processados, que aumentam a inflamação no organismo, e dê preferência aos naturais, como legumes, verduras e proteínas magras.

Outra boa ideia é investir em alimentos ricos em fibras, como granola e aveia, que ajudam quem tem intestino preguiçoso e auxiliam a diminuir a sensação de que sua barriga está estufada.

Também não abra mão de ingerir água em quantidades adequadas. Além de deixar seu corpo hidratado, ela atua na eliminação das toxinas e evita a retenção de líquidos, que podem deixá-lo inchado e com o abdômen dilatado.

O ideal é que você busque um nutricionista de sua confiança. Com base em uma série de variáveis como seu histórico médico, seu perfil alimentar e seu biotipo, esse profissional poderá prescrever a dieta mais adequada para suas necessidades.

O nutricionista também poderá recomendar os suplementos alimentares mais indicados para turbinar o seu treino e otimizar os seus resultados, deixando você mais perto de alcançar seu objetivo.

4. Você vive estressado

Não é só a falta de sono que aumenta os níveis de cortisol no organismo. Ingerir muito açúcar e estar constantemente estressado, seja física ou mentalmente, tem o mesmo efeito na produção do hormônio.

Além de favorecer o acúmulo de gordura, especialmente na região abdominal, o cortisol também diminui a massa muscular, jogando por terra uma parte dos esforços realizados durante as sessões de treinamento.

Outro problema é que o stress pode ajudar a desencadear episódios de compulsão alimentar em quem convive com o problema, fazendo os ponteiros da balança subirem. Portanto, relaxe e procure um tempo para cuidar do seu sono, de sua alimentação e do seu bem-estar de maneira geral!

5. Você não ingere vitaminas e minerais importantes

A deficiência de alguns minerais importantes, como o cromo, em sua dieta pode minar suas chances de conquistar um abdômen chapado.

De acordo com pesquisadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, a suplementação do mineral pode aumentar a perda de gordura sem prejuízos ao tônus muscular.

Isso acontece porque o cromo ajuda a restaurar os níveis de insulina, diminuindo o ganho de peso ligado à flutuação da quantidade do hormônio no organismo. Em outras palavras, o cromo diminui a possibilidade de você sentir aquela vontade súbita e urgente de comer doces e carboidratos.

Outro mineral importante para quem quer perder gordura abdominal é o magnésio. Segundo estudo publicado na publicação norte-americana Journal of Nutrition, a ingestão ineficiente do mineral está ligada a baixos níveis de glicose e insulina, que são indicadores de obesidade.

O magnésio participa ainda da ativação de mais de 300 enzimas que garantem o bom funcionamento geral do seu organismo. Portanto, cheque se o mineral está presente em níveis adequados no seu corpo!

Tenha atenção também aos níveis de vitamina no seu corpo. O aumento de ingestão da vitamina A, por exemplo, pode estar ligado à redução da gordura corporal.

Já a vitamina C está envolvida na produção de colágeno e pode auxiliar na quebra de gordura durante o exercício, enquanto a vitamina D ajuda o seu corpo a absorver cálcio, o que também poderia ajudar na quebra de gordura. De acordo com um estudo publicado pela Nutrition Reviews, maiores níveis de cálcio no organismo poderiam estimular a perda de peso e gordura.

6. Você não escolhe as gorduras certas

Não é incomum encontrar alguém que, focado no objetivo de conquistar um abdômen chapado, tire de vez as gorduras do cardápio — o que, definitivamente, não é uma boa ideia.

As gorduras, além de terem um papel importante na absorção de determinadas vitaminas, como A, D e K, também servem como fonte de energia em dietas de baixo carboidrato, ajudam a proteger o cérebro e o coração e atuam ainda na saúde dos cabelos e da pele.

Dessa maneira, a melhor estratégia para quem quer perder peso sem perder a saúde é trocar as “gorduras ruins” por aquelas que fazem bem ao organismo.

Por isso, deixe de lado as gorduras saturadas e as trans — que são encontradas, por exemplo, em cortes de carne vermelha muito gordurosas, salgadinhos de pacote e lasanhas congeladas —, que favorecem o ganho de peso na região abdominal, podem causar o entupimento das artérias e aumentar suas chances de desenvolver um AVC e problemas cardíacos.

No lugar delas, opte por aquelas mais saudáveis, como as encontradas no abacate, nas amêndoas e nas nozes, no azeite, no óleo de coco, na pasta de amendoim e nos peixes ricos em ômega 3, como o atum, a cavalinha e o arenque.

Não se esqueça, no entanto, que ainda que algumas gorduras sejam melhores para o organismo, elas ainda são gorduras, e seu consumo excessivo pode favorecer o aumento de peso. Por isso, faça escolhas inteligentes e consuma-as com moderação!

7. Você consome sódio em excesso

Para ter um abdômen sequinho e definido, é importante que você fique longe do excesso de sódio. Consumir alimentos com excesso do mineral, além de ser maléfico para quem tem pressão arterial alta, também fazem você se sentir mais inchado.

Isso acontece porque o excesso de sal no organismo ocasiona o deslocamento da água da corrente sanguínea para a pele.

Por isso, não ultrapasse a quantidade recomendada de 4 gramas do mineral por dia e fique longe de alimentos ricos em sódio, como as sopas de pacote, o molho shoyu e até mesmo o atum enlatado, um dos queridinhos da dieta, que chega a contar com 238 mg de sódio em uma única porção.

Em vez disso, procure dar sabor as pratos usando temperos livres de sódio, ervas aromáticas e especiarias, como a noz moscada, a pimenta do reino, o açafrão, o gengibre e a pimenta vermelha.

Gostou de saber um pouco mais sobre os fatores que podem estar impedindo você de perder gordura abdominal? Então aproveite para conhecer melhor os suplementos multivitamínicos e descobrir como eles podem ajudar você a atingir seus objetivos!