whey protein

5 Suplementos vegetarianos para ganhar massa muscular e melhorar hipertrofia

Muito facilmente podemos comparar nosso organismo a uma maquina, a um carro. Assim como toda maquina nosso organismo não desempenhará suas funções com total capacidade sem que receba os combustíveis de forma adequada. O ponto a ser abordado é que diferente de uma maquina comum, nosso organismo necessita de vários nutrientes diferentes diariamente. A fonte destes nutrientes pode não ser um fator determinante se estes nutrientes atenderem as necessidades do individuo.
Nos dias de hoje observamos muitos modelos distintos de dieta, muitas pessoas apresentam restrições alimentares devido a religião escolhida, crenças apresentadas, ideologias de vida, entre outros. Em especial observamos uma crescente para os modelos dietéticos vegetarianos, onde são restringidos os alimentos de origem animal, mas não aqueles derivados. Exemplo: é proibido o consumo de carne de gado, mas o leite e seus derivados são aceitos na dieta. Assim como os derivados do frango, como o ovo e o suplemento Albumina (retirado da clara).

Assim como todas as pessoas, os adeptos do vegetarianismo necessitam programar suas escolhas de forma que atendam as necessidades nutricionais. Muitas vezes o fato de restringir carne pode resultar em déficit energético proteico, mas somente se houver falha na escolha dos alimentos, via de regra as necessidades por nutrientes podem ser perfeitamente atendidas com suplementos e alimentos. A Growth Supplements possui uma linha completa para atender todos os tipos de públicos, para aqueles que restringem carne na sua dieta podemos indicar os seguintes suplementos:

Whey Protein e o Vegetarianismo

As propriedades de estimular o anabolismo da whey protein são muito bem demonstradas e documentadas. É consenso entre profissionais nutricionistas que a whey protein pode ajudar estimulando a fabricação de proteínas musculares, proporcionando ganho de massa muscular. Ao combinarmos whey com exercícios resistidos como musculação, o estímulo fabricação de proteínas musculares é maior ainda, esta é a combinação mais eficiente para aumento de massa muscular.

De onde vem o Whey Protein?

Através da acidificação do leite obtemos leite talhado, a parte sólida do leite contendo caseína e gordura separa-se da parte liquida que contém (soro) lactose, algumas vitaminas e as diversas proteínas do soro do leite. “Whey” é especificamente o termo usado para definir a fração líquida, as whey proteins nada mais são do que as proteínas do soro do leite. Whey Protein engloba várias proteínas diferentes, lactoalbuminas e as lactoglobulinas são as principais proteínas presentes neste suplemento. A produção de whey protein acontece através de processos industriais que acabam concentrando as estruturas proteicas do soro através de secagem.

Legalmente considera-se whey concentrado o suplemento com 80% de proteínas. Isolado o produto com pelo menos 90% de proteínas e o whey hidrolisado por sua vez pode ser produzido usando qualquer um dos dois, porém deve-se aplicar processo de hidrolise sobre as proteínas. A indicação de um ou outro depende diretamente das necessidades particulares de cada individuo.

Via de regra todas formas de whey protein são excelentes coadjuvantes no trabalho de aumento ou manutenção da massa muscular, a melhor aplicação para o produto é no pós-treino, quanto antes forem ofertados os nutrientes demandados pelo tecido muscular melhor será a resposta do mesmo aos estímulos proporcionados durante o treino.

Proteínas veganas e o suplemento proteico

Além do Whey Protein, é possível também adotar proteínas que se encaixam na deita dos veganos. Há ainda muitas dúvidas nesse tipo de suplementação. Nesse caso, a matéria-prima vem de origens vegetais como a Ervilha, a Soja ou o Arroz, por exemplo. Esses três produtos tem um alto valor proteico e trazem diversos benefícios ao organismo. Invista na qualidade ao comprar o seu Soy Protein, Rice Protein ou Pea Protein, garantindo uma experiência ainda melhor com esses suplementos.

Leucina e a construção muscular

É nada mais nada menos do que o aminoácido responsável por iniciar os processos de síntese proteica, ou seja, representa um bom potencial anabólico. Por este motivo a sugestão de consumo para Leucina é para o pós-treino imediato.

Este aminoácido pode participar do nosso metabolismo das seguintes formas: a) como um substrato para a síntese proteica; b) como energia e c) como um sinalizador da via metabólica de síntese.

A leucina pode ser usada na prevenção da sarcopenia (condição observada em idosos), na manutenção ou aumento de massa muscular. Leucina promove estes efeitos devido ao estimulo sinalizador popularmente conhecida como mTOR.

Antigamente a leucina era considerada apenas um dos aminoácidos de cadeia ramificada, porém ultimamente, a leucina deixou de ser considerada apenas uma estratégia de ofertas de aminoácidos essenciais ramificados, por promover potentes efeitos sobre a síntese e degradação muscular.

O consumo de leucina também estimula a síntese de insulina pelo pâncreas que por sua vez age como hormônio transportador, um hormônio anabólico que possui efeito especifica sobre a síntese de massa muscular.

Creatina: Uso liberado para vegetarianos?

A creatina é considerada uma amina, pode ser sintetizada por nosso organismo nos rins, fígado e pâncreas. Podemos encontrar também creatina nos alimentos (especialmente na carne vermelha e peixes) ou através dos suplementos de creatina isolada que por sua vez é fabricada através de aminoácidos isolados, não havendo qualquer ligação com alimentos de origem animal.

Creatina sintética

Creatina é sem duvida um dos suplementos mais estudados pela ciência, é bem documentado efeitos como: produção de força muscular, hipertrofia, retenção hídrica e balanço proteico, aumento do volume de treino, efeitos benéficos sobre a expressão gênica e ativação das vias de trofismo muscular.
Os benefícios com uso de creatina podem ser considerados consequências da retenção hídrica, mudança na expressão genética, da tradução de proteínas relacionadas à hipertrofia, além do aumento/proliferação assim como ativação de células satélites.

Arginina: Resistência, desempenho e vasodilatação

Este aminoácido vem sendo consumido com intuito de melhorar a resistência durante o exercício e aumentar a vasodilatação.
Arginina participa da formação de oxido nítrico, um gás produzido em algumas células de nosso organismo, especialmente em células presentes nas paredes dos vasos sanguíneos. O oxido nítrico é capaz de aumentar e expandir o calibre do vaso sanguíneo, as artérias que irrigam os músculos dilatam-se, aumenta-se a circulação sanguínea e consequentemente nutrientes para os músculos. Como consequência desta mudança no abastecimento de nutrientes para os músculos observa-se aumento da resitencia o que resulta em maiores condições de treino e provavelmente aumento do desempenho físico.

Glutamina: recuperação muscular e aumento de desempenho

Considerado um aminoácido essencial em algumas situações, a glutamina é o aminoácido encontrado em maior quantidade no plasma sanguíneo e também no tecido muscular. As funções deste aminoácido são muito variadas, podemos citar: . A multiplicação e desenvolvimento de células, especialmente aquelas do sistema imunológico, o balanço ácido básico, o transporte da amônia entre os tecidos, a doação de esqueletos de carbono para a formação de energia. A suplementação de glutamina proporciona reações bioquímicas que cercam a imunossupressão, catabolismo muscular e estresse oxidativo, ou seja, recuperação do tecido muscular recrutado durante o treino e também recuperação do organismo como um todo. Em situações como pós-exercício físico exaustivo e durante períodos de treinamento intenso nosso organismo não consegue produzir glutamina em quantidade suficiente, por isso observam-se benefícios com a suplementação de glutamina.