5 motivos para tomar multivitamínicos

5 motivos para tomar multivitamínicos

Já está muito bem documentado na literatura que os micronutrientes: vitaminas e minerais são necessários não só para a manutenção do bom estado de saúde, mas também para garantir o bom desempenho em atividades físicas.
Níveis adequados de vitaminas e minerais no organismo não atuam como ergogênicos, ou seja, não são capazes de aumentar a potência física, mas sabemos que a deficiência destes nutrientes pode atuar como fator redutor do desempenho físico.

A RESOLUÇÃO RDC N.º 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 informa sobre a Ingestão Diária Recomendada (IDR), trata-se da quantidade de proteína, vitaminas e minerais que deve ser consumida diariamente para atender às necessidades nutricionais da maior parte dos indivíduos e grupos de pessoas de uma população sadia. Os rótulos de alimentos e suplementos apresentam valores em peso e também em porcentagem para os micronutrientes presentes na composição, porém é preciso entender que tais valores são calculados tendo como base indivíduos sedentários. Ainda não há dados suficientes na literatura para estabelecer a necessidade de nutrientes de praticantes de atividade física e atletas profissionais. Apenas sabe-se que o exercício é causador de aumento na demanda nutricional, quanto mais intenso, mais prolongado e mais frequente for o exercício maiores serão as demandas, cabendo ao profissional nutricionista analisar as características do individuo e diagnosticar as demandas nutricionais.

Sabendo que o hábito alimentar dos indivíduos pode resultar em consumo de vitaminas e minerais insuficiente, tendo em vista que a biodisponibilidade de tais nutrientes nos alimentos pode ser reduzida e que até a absorção destes nutrientes pelo trato gastrointestinal pode ser reduzida, forneceremos 5 motivos para você garantir a ingestão destes nutrientes através do multivitamínico:

– Manutenção da saúde do organismo, pura e simplesmente manutenção da saúde: Você pode até não conseguir observar em curto prazo de tempo a diferença entre uma dieta balanceada com todos os nutrientes que seu organismo necessita ou uma dieta feita apenas com batata doce e frango que fornece apenas os nutrientes carboidratos e proteínas, nutrientes que seu organismo usa para formar energia. Mas é fato, seu organismo irá cobrar a oferta de todos os nutrientes de forma adequada com o passar do tempo. As vitaminas e minerais, muitas vezes desprezadas por indivíduos leigos ou um pouco menos empenhados na hora de fazer dieta são indispensáveis ao funcionamento do organismo e bom estado de saúde. Não existe escolha! Ou nós consumimos uma dieta cheia de vegetais com hortaliças, frutas, legumes, sementes e outros, ou consumimos os micronutrientes através de complementos, o nosso organismo necessita, precisamos oferecer! Nos dias de hoje muitas vezes é impossível consumir pelo menos 7 porções de vegetais distintos todos os dias, como determina a recomendação do ministério da saúde, por isso os suplementos multivitaminicos são uma boa ajuda para quem tem a vida agitada e não pode se alimentar de forma ideal.

– As vitaminas impedem a redução do desempenho atlético:
As vitaminas hidrossolúveis, em especial as vitaminas do complexo B estão presente nas reações de geração de energia, a deficiência de qualquer uma delas pode resultar em redução da formação de energia.
As recomendações para consumo destas vitaminas não é diferente entre atletas e não atletas, mas como sabemos, estas vitaminas estão presentes na formação de energia, quanto mais alimentos o individuo consumir, quanto maior for a necessidade calórica, maior será a necessidade das vitaminas do complexo B para então ser possível metabolizar a energia destes alimentos.

– Estresse oxidativo e sua implicação no desempenho atlético
Durante a atividade física o nosso organismo produz radicais livres de oxigênio, estes elementos são importantes para que haja desenvolvimento dos músculos, mas quando o combate a estes elementos não consegue superar a produção dos mesmos pode haver danos à estruturas celulares e também a órgãos o que pode ser chamado de estresse oxidativo (EO). Não se sabe se o Estresse Oxidativo é uma causa ou um efeito da fadiga. Porém sabemos que as vitaminas antioxidantes são responsáveis pelo combate a estes radicais livres e que o consumo deve ser diário para assim haver substrato para o organismo criar suas defesas.
A suplementação com vitaminas antioxidantes não é bem indicada nos momentos que antecedem ou que sucedem o treino, isto porque pode haver prejuízo ao desenvolvimento muscular uma vez que as adaptações bioquímicas e fisiológicas podem ser prejudicadas. As vitaminas lipossolúveis (A e E), junto com a vitamina C são bem aplicadas devido suas capacidades antioxidantes.

– A suplementação com minerais pode ajudar possui funções bioquímicas como componentes catalíticos, estruturais, reguladores celulares e de enzimas. Nutrientes como Ferro, Cálcio, fósforo, Magnésio, Zinco e Cromo estão diretamente ligados ao desempenho atlético. A suplementação com estes micronutrientes atua no transporte de oxigênio dos pulmões para os tecidos, na teoria aumentar o VO2 máximo e consequentemente elevar a concentração de hemoglobina circulante, melhora o desempenho do atleta independente da capacidade de transporte de oxigênio pelo sangue.  Estes nutrientes também fazem parte dos compostos com alto conteúdo de energia encontrados na célula muscular como o ATP e CP que são necessários à contração muscular. Tais minerais são usados nas estruturas de centenas de enzimas o que garante a formação de energia para as células, ainda podem estar envolvidos na formação do glicogênio do tecido muscular, facilitar o transporte de aminoácidos aos músculos, e também podem influenciar o metabolismo de colesterol.

– Transpiração e perda de micronutrientes
A atividade física é responsável por gerar calor, nosso organismo tende a controlar este calor através da sudorese/transpiração. o suor contém principalmente os sais minerais (eletrólitos) Sódio, Potássio, Cloro e Magnésio. Caso o individuo não tenha uma boa concentração destes nutrientes no organismo pode facilmente apresentar sintomas como câimbras, dor de cabeça, fadiga excessiva, dores musculares, náusea, vômitos, diarreia e nos casos graves, convulsões