aminoácidos para quem malha

5 aminoácidos mais buscados por quem malha

Não é recente o uso de suplementos nutricionais na busca de melhoria no desempenho atlético ou melhora no quadro de saúde. Os benefícios oferecidos através do consumo adequado de nutrientes isolados como os aminoácidos não é exclusividade de atletas profissionais, é sabido que a oferta de nutrientes como aminoácidos (unidades básicas da composição de uma proteína) trazem benefícios a atletas e praticantes de atividade física. Os mais comuns e procurados nos dias de hoje são:

Leucina
Este aminoácido esta presente na lista de quem pratica musculação seja buscando aumento de força e volume muscular ou redução de tecido gorduroso. Justifica-se o uso de leucina devido às implicações ao metabolismo proteico. A Leucina influencia o inicio da via metabólica de síntese proteica, estimula a produção de insulina e também evita a degradação proteica. Estes efeitos são decorrentes da ativação de uma proteína conhecida como mTOR. Esta proteína por sua vez estimula outros mecanismos celulares que iniciarão a tradução do RNA-mensageiro ao ribossomo para realizar a síntese proteica.

BCAA
Na verdade não é um aminoácido isolado, mas são três elementos distintos isolados. BCAA é a definição para aminoácidos de cadeia ramificada na (branched chain amino acids). Leucina, Valina e Isoleucina são os três elementos especiais, o consumo de BCAA retarda a fadiga muscular, melhora a recuperação dos músculos que foram recrutados durante o treino, potencializa a síntese e evita a degradação de proteínas musculares. BCAA é mais bem aplicado junto com a refeição que antecede o treino e também junto da refeição imediata ao final da atividade física.

Glutamina
Este aminoácido esta presente em maior concentração no plasma sanguíneo como também no tecido muscular. Não é sem motivo que glutamina está presente em grande concentração em nosso organismo, essa presença deve-se ao fato de que ela é usada por uma grande quantidade de células corporais como também órgão. Glutamina é usada para garantir a homeostase do sistema imune, por sua vez previne o aparecimento de infecções oportunistas, lesões induzidas pelo exercício e também ajuda a prevenir a síndrome de overtraining. Uma vez que os níveis plasmáticos de glutamina encontram-se reduzidos após as sessões de exercício de alta intensidade a melhor recomendação de consumo deste aminoácido é para o pós-treino imediato.

Arginina
A principal implicação da suplementação com arginina é a redução da fadiga e cosequente melhora no desempenho no esporte. Tal melhora é desencadeada pelo aumento da vasodilatação, aumento do calibre dos vasos sanguíneos o que gera efeito chamado de perfusão muscular (melhora na irrigação sanguínea aos tecidos periféricos). O aumento do calibre dos vasos acontece mediante produção de oxido nítrico, este gás nutriente é produzido quando arginina é transformada em citrulina no organismo. Existem indícios de que a arginina também influencia no desempenho físico através do aumento da produção de proteínas musculares. A suplementação de arginine tem sido usada em doses que vão de 3 a 6gr ao dia, sugere-se dividir o consumo da quantidade total em duas doses ao dia sendo uma delas antes do treino.
Beta-alanina

Consumimos β-alanina através da alimentação ou suplementação, ela dá origem a outro elemento chamado de carnosina que por sua vez está presente nas fibras musculares, sua maior implicação no desempenho é atuar como agente tamponante, previne aumento da acidez muscular e consequentemente a fadiga por acidose muscular. Pesquisas desenvolvidas com suplementação de beta-alanina mostraram que há aumento do desempenho e aumento do volume muscular com o passar das semanas, observou-se também que este nutriente deve ser de uso crônico e diário, levam algumas semanas até que o individuo consiga observar os benefícios do suplemento. A sugestão é consumir entre 3 e 6gr de beta-alanina ao dia, sendo sugerido dividir a ingestão em duas porções para que não haja efeito de prurido/coceira na face e braços após o consumo.